Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
28/04/2013 08h01
Águas Virtuosas F. C. (11) - Craques (2) - Chá e Alemão

Mais alguns craques do nosso futebol e algumas de suas histórias:

Chá

Chá chegou em Lambari ainda jovem para jogar futebol, vindo de Itajubá. Atuou nos times do Vasquinho e do Águas, e ainda nos Veteranos do Águas. E também foi técnico de todos esses times.

Foi um grande lateral-esquerdo, muito bom tecnicamente, e um marcador implacável, que jogava limpo, na bola, e poucas faltas fazia.

Atuou também de zagueiro, e mesmo não possuindo uma estatura elevada tinha uma impulsão fantástica, e dificilmente perdia uma bola de cabeça. Mas havia um segredo, que ele acabou nos ensinando:

Na área, procure o melhor posicionamento, um olho na bola e o outro - o mais importante - no adversário.

E quando a bola vier, dê um, dois passos, para tomar impulso. Corra e salte o mais que puder, e, antes da bola chegar, jogue os ombros para baixo e lance a cabeça com toda a força para cima - assim você ganha uns centímetros a mais...

Foi também um grande pescador, e sobre isso deixei registrada no livro Menino-serelepe (*) a seguinte passagem:

Duas da tarde, hora de mais pescaria. Se de manhã deu lambari, depois do almoço nem isso. Pai olhou no relógio: cinco horas. E nadinha de peixe beliscar a isca. Subimos mais um pouco e pai encontrou o Chá Preto, na outra margem do rio. Pai gritou: — ‘Tá puxando aí, Chá? E Chá respondeu: — Uai, Dé, só debaixo da gaiada, na isca de fígado e no sangue. E levantou a fieira da água: um cambão de piabonas e curimbas. Quase caí duro, pois peixe bitelo assim só o tio Messias e tio Rubens é que sabiam pegar. Pai pediu e o Chá jogou um naco de fígado. Parti logo um pedacinho, isquei a varinha pegadeira e fui enfiando ela por sobre a linha do Chá, que era ali que as bichinhas ‘tavam puxando. Pai falou: — Guima, respeita o ponto de quem chegou primeiro. Chá riu e disse: — Deixa o menino, Dé. Pai falou: — Melhor aprender desde cedo, Chá. 

Pessoa simples, alegre, que, além de jogar futebol, fez de tudo pelos times em que atuou: foi massagista, roupeiro, cuidava da grama e trabalhou de vigia noturno no Estádio do AVFC. Sofreu muito com os seus conhecidos "joanetes", e certamente foi um dos jogadores mais queridos da história do nosso futebol.

Alemão

Oriundo da Ilha do Governador, no Rio, Alemão atuou nos juvenis do Flamengo (RJ), e jogou profissionalmente em times do Rio Grande do Sul. Seu irmão Bob jogou anos pelo Botafogo de Garrincha e companhia, depois foi para o Grêmio, de Porto Alegre, onde se aposentou. (1)

No Sul de Minas, Alemão atuou pelo Fluminense de Caxambu, cidade em que chegou a possuir uma granja, mas se casou e se fixou em Lambari como comerciante. Aqui, jogou pelo Águas e Vasquinho, e pelo Veteranos do Águas. Cuidava-se muito fisicamente e conseguiu jogar bola até depois dos setenta anos.

Atuava no meio-campo e de meia-atacante, e era um jogador muito inteligente, que sabia aliar à técnica refinada a "malandragem do futebol". Foi excelente técnico e sabia "ler" o jogo como poucos.

Sobre essa sua "malandragem", conta-se uma boa história:

Num jogo pelo Fluminense de Caxambu, num disputadíssimo campeonato amador regional, um troncudo marcador adversário foi escalado para marcar o Alemão. E, assim, caçou-o durante todo o jogo: faltas, pancadas, cotoveladas, xingamentos, gozações - procurando provocar uma contusão ou sua expulsão - o que ocorresse primeiro... E o Alemão protegendo a bola e a si mesmo, e, espertamente, "retribuindo" as pancadas  e as provocações que recebia. E tocando a bola e ditando o ritmo do jogo.

Há poucos minutos do final, correu pelo meio com a bola dominada e defrontou-se com o irritadiço marcador, que vinha a toda, locobabando, como se diz por aqui na gíria do futebol, tentando matar a jogada. Alemão, então, estacou à frente do brutamontes e balançou o corpo pra lá, pra cá, e o botinudo abriu as pernas - e Alemão meteu-lhe a bola no vão das canetas. E, numa cena humilhante, o brucutu ficou lá sentado...

Alemão, pegou a bola do outro lado, deu uma paradinha, passou a mão na cabeça do pobre caneludo, que continuava sentado e perdido no lance - e disse:

Futebol é uma merda, não é meu caro?

..................................................

 

(1)  Bob, irmão do Alemão, no Botafogo de 1960. 

(*) Esta narrativa faz parte do livro Menino-Serelepe - um antigo menino levado contando vantagem, uma ficção baseada em fatos reais da vida do autor, numa cidadezinha do interior de Minas Gerais, nos anos 1960.

O livro é de autoria de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a série MEMÓRIAS DE ÁGUINHAS. Veja acima o tópico Livros à Venda.


Publicado por Guimaguinhas em 28/04/2013 às 08h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: