Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
29/06/2013 07h57
Vocabulário de Aguinhas (3) - Letra "C"

Também nos divertíamos muito, lembrando ditos, expressões e

trovas populares, além de colecionar palavras em desuso na

língua, catadas tanto aos clássicos como aos matutos do

Sul de Minas Gerais.

(Do livro inédito : Pai Véio, um contador de histórias, de Antônio Lobo Guimarães)

 

Pelo que respeita à linguagem, tanto culta, como familiar ou popular,

é lá [em Minas Gerais] que me parece estar a feição primitiva.


(Gladstone C. de Melo, linguista e professor, de Campanha, MG,no livro A língua do Brasil)

 

Ilustração de abertura: Cromo de antiga igreja de Aguinhas (Sec. XIX)


Cabeça-de-nêgo: Bombinha com alto poder de detonação.

Cacarecos: Velharias; trastes de pouco valor.

Cacunda: Dorso, costas.

Cacuruto: Cocoruto: elevação, morro.

Cadeira: Quadril. Dor nas cadeiras (ou dor nos quartos) = dor nos quadris.

Cagaço: Medo, susto.

Caidor: Lugar onde os animais entram ou caem na água.

Câimbra de sangue: Corruptela de câmaras ou cambras. Diarréia forte, com fluxo de gotas de sangue.

Cair na esparrela: Ser enganado. Deixar-se lograr.

Caixa-pregos: Lugar muito distante.

Cafundó do Judas: Lugar distante e de difícil acesso.

Calçar os peitos: Ingerir algum comestível.

Calhau: Papagaio improvisado de folha de caderno, sem varetas. [Gíria ocorrente em Aguinhas.] Em Aguinhas, não era comum o nome pipa, e sim papagaio. Esse havia nas seguintes espécies: tradicional (varetas cruzadas, circundadas por linha), flecha (varetas nesse formato, sem linhas nas laterais) e balão (papagaio grande e sem rabo).

Cambão: Peça de madeira para unir juntas de bois de carro. Coletivo: Grande quantidade: cambão de peixes, ou de gentes.

Cambota: Cambalhota

Camisa de onze varas: Dificuldade grande em que alguém se mete e da qual é difícil ou impossível sair.

Campear: Buscar, procurar.

Candonga: Intriga, mexerico.

Caninga: Má sorte; azar; uruca.Vidinha caningada = azarada.

Canhotar: Desarticular a espingarda para pôr ou extrair o cartucho. Descanhotar é fechar a arma. [Gíria ocorrente em Aguinhas.]

Canto chorado: Da expressão “Trazer num canto chorado”, isto é, debaixo de rigorosa vigilância.

Capela: Nome por que os caboclos de Aguinhas costumam designar a cidade de Aparecida do Norte, SP.

Cão: Peça saliente da espingarda que percute a cápsula. Diz-se que a espingarda é mocha quando não possui cão.

Cara de beloni: Desapontado; emburrado. [Gíria ocorrente em Aguinhas.]

Cara de bugia: Mulher muito feia.

Cara de poucos amigos: Cara amarrada, zangada.

Caraminguás: Móveis velhos. Diz-se, também, de dinheiro miúdo.

Carcamanos: Designação dada aos italianos imigrantes.

Carrasquento: Formação vegetal áspera, rasteira e sem valor.

Carreador: Trilho, picada.

Carro de praça: Táxi

Casinha: Banheiro.

Casquete: Boné; chapéu velho.

Caxerenga: Faca de caboclo.

Chá de marmeleiro: Surra de vara de marmelo, que são varas longas e flexíveis, bem jeitosas para se bater.

Chaleirar: Adular, bajular.

Chamar na chincha: Chincha é uma faixa de couro ou de qualquer tecido forte, que se usa, sempre bem justa, para segurar a sela. Chamar na chincha = Dar um aperto.

Chanças: Corruptela de chances.

Cheio de nove-horas: Gente presumida, complicada, enjoada.

Chernoviz: Refere-se ao dr. Chernoviz, médico autor de um antigo livro de receitas de remédios. Por extensão: vademecum.

Choça: Cabana feita de ramos.

Choferar: Guiar, dirigir, conduzir.

Chotão: Corruptela de choutão = Cavalo de marcha dura.

Chorar miséria: Pessoa apegada ao dinheiro que tudo lamenta sem necessidade.

Chué: Desapontado; sem graça.

Chupa-chupa: Suco de frutas congelado, vendido em saquinhos de plástico.

Chuva no roçado: Diz-se de negócio rentável, lucrativo, proveitoso.

Cobreiro: Espécie de dermatose produzida pelo contato com vegetação, ou roupa, sobre a qual se supõe passe um animal peçonhento.

Cobrinhos: Pouco dinheiro. Dinheiro miúdo ou em moedas

Cocorar: Acocar; acocorar = fazer mimos.

Colheita: Rapa; ato de apanhar as bolinhas de gude que estão em jogo, geralmente praticado por meninos maiores. Pronunciava-se: coieta.

Coque: Pancadinha na cabeça com o nó do dedo.

Coité: Cuia feita de coco ou de cabaça.

Colondria: Ajuntamento ou turma suspeita.

Com a vó atrás do toco: De mau-humor.

Com todos os efes e erres: Dentro da lei e das normas.

Comi: Auxiliar (aprendiz) de garçom.

Composição: O conjunto de carros de um trem, nas estradas de ferro.

Conga: Antigo sapato feito de lona e borracha; espécie de tênis.

Consumição: Inquietação, preocupação, apreensão.

Coruscar: Coriscar, flamejar; reluzir.

Corda e caçamba: Expressão que designa as pessoas que fazem tudo juntas. Refere-se à corda e à vasilha com que se tira água do poço.

Coresma: Corruptela de quaresma

Cortar talão: Pagar imposto na coletoria, onde o documento era selado. Por extensão: passar escritura.

Corrupio: Lufa-lufa; corre-corre; afã, lidar apressadamente. Pessoa esperta que faz tudo com rapidez.

Costaneira: Borrador, livro no qual se anotavam, em rascunho, as operações comerciais de um estabelecimento.

Couro atanado: Couro curtido com casca de angico, ou outros vegetais que possuem o tanino.

Crendospadre: Creio em Deus Padre.

Crioulo: Cigarro de palha feito de fumo de rolo.

Crescer nas vistas: Despertar cobiça.

Crochetar: fazer crochê.

Curriola: Corruptela de corriola = bando, grupo, corrilho.

Curso: Moléstia do gado bovino.

Cuspido e escarrado: Tal e qual. 


(*) Fontes de consultas principais: Pequeno Dicionário da Língua Portuguesa, Aurélio Buarque de Holanda - Aurélio Eletrônico, Século XXI - Dicionário de Vocábulos Brasileiros, Beaurepaire-Roban - O Dialeto Caipira, Amadeu Amaral - Dicionário Sertanejo, Cornélio Pires - Dicionário da Terra e da Gente de Minas, Waldemar de Almeida Barbosa - Novo Dicionário da Gíria Brasileira, Manuel Viotti.


(**) Este Vocabulário de Aguinhas faz parte do livro Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem, de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a coletânea HISTÓRIAS DE ÁGUINHAS. V. o tópico Livros à Venda.

 

Veja nos números anteriores desta série:

http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=36347

http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=37267


Publicado por Guimaguinhas em 29/06/2013 às 07h57
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: