Guimagüinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
13/03/2014 10h39
Literatura de Aguinhas (15) - Sinopses de livros de Américo Werneck

Sumário


Mães, que queirais saber ser mães, lêde este livro, porque ele é feito de luz e de perfume. E há de insinuar-se em vossas almas como um hino de adorações.

JORNAL DO COMMERCIO, de 31/10/1887, referindo-se ao livro ARTE DE CRIAR OS FILHOS


Judith

   Judith, por seu noivo Américo Werneck - Typographya A Editora Ltda., Lisboa, 1912

Judith, publicado em 1912, trata-se de um romance autobiográfico dedicado por Werneck a sua noiva Judith de Lemos, no qual expõe a história de como se conheceram, no ano de 1874, até o casamento ocorrido em 17 de novembro de 1878. A narrativa é dirigida a Judith, como se fora uma longa carta.

Werneck, estudante no Rio de Janeiro, então com 19 anos, vê Judith (ela tinha apenas 12 anos) numa estação de trem, cruzam os olhares — e instantaneamente se apaixona pela menina. A partir daí, ele conta como fez para descobrir quem ela era, onde morava, quem eram seus familiares, pois tem certeza de que a jovenzinha é a mulher da sua vida. Mas é um amor platônico, inconfessado, a distância.

Pouco mais à frente, um grande susto: os pais de Judith vão deixar o Rio de Janeiro, de mudança para o Sul de Minas. Na sequência são narradas as peripécias para ir visitar a família de Judith em São Gonçalo do Sapucaí (MG) e aproximar-se, discretamente, da garota. Não pode falar de casamento, ou de compromisso, em face da juventude dos noivos e do fato de ser ainda um estudante, sem nenhuma condição de formar e sustentar uma família. Quando, depois, de algum tempo, consegue declarar seu amor, surge grave problema: o pai da menina — João Lemos , por razões misteriosas que somente serão reveladas no final do romance, não autoriza o noivado, em que pese à cumplicidade da tia, a Baronesa de Rio Verde, e à intervenção de um amigo comum das famílias Lemos e Werneck.

O livro relata fatos interessantes sobre o Sul de Minas de meados do Século XIX, como a dificuldade de se chegar a São Gonçalo do Sapucaí, de cavalo, atravessando a Serra do Picu, na divisa do Estado, e também descreve festas, costumes, tradições e expressões da gente do Sul de Minas daquela época. Nele já há referências a Águas Virtuosas da Campanha, a futura cidade de Lambari, onde o autor viria a morar, a partir de 1889, e da qual se tornaria prefeito, em 1909.


Iustração de abertura: Judith, com 18 anos, segundo um quadro de Decio Villares, extraído do citado romance.

Voltar


A heroína da Inconfidência

 Bárbara Heliodora, em óleo sobre tela encontrado nos porões da antiga Fazenda Boa Vista em São Gonçalo do Sapucaí. Fonte: Wikipedia


A heroína da Independência trata-se de uma biografia romanceada de Bárbara Heliodora, mulher de Alvarenga Peixoto, grande musa do poeta da Inconfidência, e ela própria poetisa, que participou ativamente da Conjuração Mineira, 

Esse livro de Werneck foi inspirado certamente pela sua mudança para São Gonçalo do Sapucaí (MG), cidade em que Heliodora residira e falecera (24 de maio de 1819), e onde Werneck veio a morar nos anos 1880. (aqui)


  

Referências ao livro de Werneck, publicadas no Dicionário de mulheres brasileiras - de 1500 até a atualidade, biográfico e ilustrado, Jorge Zahar Editores (aqui)


O livro de Werneck, e em especial o episódio acima, contribuiu para a formação do "mito de heroína", de que se revestiu a atuação de Bárbara Heliodora na Conjuração Mineira.

"Certamente sua atuação política [de Heliodora] quando da extradição do marido foi bastante significativa para as mulheres de então, pois, segundo consta, ela teria impedido o marido de denunciar seus companheiros em troca da comutação de sua pena". (*)

(*) PEREIRA, Claudia Gomes Dias Costa. Contestado Fruto: A poesia esquecida de Beatriz Brandão [1779-1868] . Monografia. Belo Horizonte : Faculdade de Letras da UFMG, 2009, p. 108. (aqui)


Interessante ressaltar que um autor fluminense (nasceu no Vale do Paraíba), que estudou no Rio de Janeiro, veio a escrever importante obra sobre um fato político de Minas Gerais (a Conjuração), com muitos personagens mineiros, ressaltando a vida de uma grande mulher mineira (Bárbara Heliodora).

Essa obra foi listada entre as "genuínamente mineiras", para distribuição nas escolas públicas do Estado. Confira no tópico a seguir.


Em 1904, o Projeto de Lei n. 87, da Câmara dos Deputados de Minas Gerais, autorizou a edição do livro e a distribuição às escolas públicas do Estado:

A heroína da Independência foi editado em 1899 pela Imprensa Oficial de Minas Gerais (aqui).

Voltar


Marido e Amante

 Marido e Amante, Rio, 1917

Marido e Amante, o mais irregular dos romances de Werneck, foi objeto de críticas quando de seu lançamento, em 1917, reprovações essas efetuadas por Medeiros e Albuquerque (1) e João Ribeiro (2).

Mais recentemente também Wilson Martins considerou-o uma espécie da "subliteratura sem a qual, na verdade, a própria literatura não pode subsistir" (3), e Themístocles Linhares viu-o como um equívoco, "um romance convertido em manual de conduta doméstica e prática sobre como aperfeiçoar a convivência do casamento, etc." (4)

O livro conta as "experiências de um inglês excêntrico que queria transformar a mulher em amante, usando para tanto uma série de simulações e artifícios chocantes e absurdos, como, por exemplo, escrever-lhe cartas de um suposto adorador e arranjando até alguém para desempenhar semelhante papel" (4).

Então, o "marido transforma-se em amante da própria esposa; e nesta aventura daí por diante se desenvolve um compêndio de moral doméstica e prática, apontam-se os perigos da sociedade, fútil e perversa, as insídias do luxo e da vaidade feminina, os defeitos da educação que fazem das meninas de hoje [do final do Século XIX] verdadeiros monstros da leviandade e imprudência." (2)

Na conclusão de seu artigo, Medeiros e Albuquerque (1), que já exaltara as qualidades de publicista de Werneck, diz que

No fim de contas, sente-se que das mais várias atividades que o Dr. Américo Werneck tem exercido a que está mais de acordo com o seu temperamento é a de educador. Isso se revela, de um modo excessivo, no seu último livro.

O julgamento final do livro, feito por João Ribeiro (2), é exemplar: 

Tudo isto ficaria melhor num livro de educação e o autor é reconhecidamente um pedagogo de firme nomeada, merecidamente obtida em trabalhos de valia.


Nota: Antes de sair em livro, a crítica de Medeiros e Albuquerque foi publicada no jornal A Noite, do Rio de Janeiro, edição de 11/06/1917, pág. 2, e pode ser vista (aqui)


  1. MEDEIROS E ALBUQUERQUE, José Joaquim de Campos da Costa de. Páginas de Crítica. Rio de Janeiro : Leite Ribeiro e Maurillo Editores, 1920, págs. 271/76.
  2. RIBEIRO, JoãoCrítica [Volume III - Autores de Ficção]. Rio de Janeiro : ABL, 1959, pags. 175/178.
  3. MARTINS, Wílson. História da Inteligência Brasileira. VOL. IV (1915-1933). São Paulo : Cultrix : Editora da USP, 1978, p. 72.
  4. LINHARES, Themístocles. História Crítica do Romance Brasileiro (1728-1981). Belo Horizonte : Itatiaia : Editora da USP, 1987, p. 256/57.

Voltar


Graciema

   Graciema - Romance Brasileiro - Nova edição ilustrada - Typographia Leuzinger, Rio de Janeiro, 1920

Graciema, romance planejado por Werneck ainda quando muito moço, foi lançado em 1a. edição, provavelmente em 1882, com o nome de Graciema e Juracy, edição essa ao qual o autor aludiu como sendo "uma precipitação", uma edição em "quatro volumes detestáveis, de estilo indeciso e incorreto". A segunda edição, já refundida, data de 1898, e a terceira, em 2 volumes, com quase setecentas páginas, foi dada à luz em 1920.

Parece ter sido João Ribeiro (1) um dos primeiros críticos a examinar essa edição de Graciema, de 1920. Tal crítica foi primitivamente feita pelas páginas do jornal Imparcial, edição de 14 de março de 1922. Nela, Ribeiro faz o seguinte resumo de Graciema:  

[Gira a trama em torno] de grave dissídio que surge inopinadamente entre duas famílias amigas, a de Fernando Álvares e a de Maurício.

O primeiro é pai de Juraci, uma das figuras de relevo no romance, e o segundo é o pai de Graciema, disputada e querida de todos, a heroína e principal figura que dá o nome ao livro.

Inimizade terrível separou as duas famílias, porque uma frase de vaga mas imprudente ameaça de Fernando, e logo em seguida o assassínio de Maurício, parecia fazer recair a responsabilidade do crime sobre o fazendeiro Fernando Álvares.

A prova cabal de sua inocência só se faz lenta e dificilmente; e isso constitui uma dos fios na urdidura do romance. Mas o aspecto sentimental de todas as páginas origina-se do amor constante dos dois filhos das duas famílias que a fatalidade e as aparências tornaram inimigas; é esse amor de Mário e Juraci que vem, afinal, cimentar a união inspirada e redimir a discórdia entre aquela gente boa e sem culpa, vítima da perfídia e da vingança monstruosa da escravidão contra todos os senhores, quaisquer que fossem.

Há muitas ações parciais dentro desse esquema aqui esboçado: os amores de Graciema enchem as páginas mais suaves do livro.


Nota: Para ver um resumo das críticas sobre Graciema, (re)leia este texto (aqui).


  1. RIBEIRO, JoãoCrítica [Volume III - Autores de Ficção]. Rio de Janeiro : ABL, 1959, pags. 179/183.

Voltar


Lucrécia

 Lucrécia - Belo Horizonte : Imprensa Official do Estado de Minas, 1900

Ao que se sabe, Lucrécia é a única peça teatral de Werneck.

Trata-se de uma tragédia, cujo cenário é o Rio Grande do Norte e a Barra do Cunhaú, lugar de belíssima riqueza natural, onde se instalara um famoso engenho de cana.

A época, meados do Século XVII, durante o período da invasão holandesa. O drama ocorre durante a dura luta dos conjurados contra os invasores, que então governavam a região, e a violenta repressão dos holandeses, no episódio da mortandade ocorrida no Engenho Cunhaú.

Em cena, entre outros: Jacob Rabbi, governador holandês; Leyden, lugar-tenente de Jacob; Vidal de Negreiros, chefe da instauração restauradora; D. Lopo Moniz, conde de Villa-Flor, fidalgo português; Lucrécia, filha de Dom Lopo; Tancredo, comandante das guardas de Dom Lopo.


Arte de Educar os Filhos

   Exemplar editado pela Empreza Graphica e Editora, RJ, 1928)


Werneck conta no livro Judith (1), que desde muito jovem tinha em mente o lineamento do livro Arte de Educar os Filhos, mas teve de adiar o projeto, em face de sua juventude e inexperiência. E somente o concluiria o livro quando ele próprio tivesse a experiência de ser um chefe de família e adquirisse a perícia necessária para aproveitar e pôr em ordem o material que vinha colhendo do estudo de si mesmo, nas recordações da infância, na análise dos caracteres e temperamentos que ia encontrando em seu caminho.

Ele chega a mencionar um fato que ocorreu com ele, Werneck, e seu pai, como exemplo do que poderia incluir no livro: o menino Américo, então com 6 anos, teimosamente insiste em comer pimenta, e o pai então colhe três pimentas e faz com que coma, para aprender a lição.

A síntese do livro e a técnica adotada constam da seguinte trecho:

Fonte: Crítica de Agenor de Roure (O PAIZ, edição de 24/04/1896, pág. 1)

A íntegra da crítica acima, publicada em O PAIZ, pode ser lida na Biblioteca Digital da Biblioteca Nacional, clicando (aqui)


Esse livro foi, possivelmente, uma das maiores contribuições de Américo Werneck como escritor. Na terceira edição dessa obra, seus filhos lhe prestaram uma homenagem, mandando nele inserir a seguinte mensagem:

Este livro primoroso, que bem poderia ser o evangelho de todas as mães, foi editado pela primeira vez em 1895, esgotando em poucos meses uma tiragem de 15.000 exemplares, o que, na época constituiu um formidável successo literário.

A primeira edição de Arte de Educar os Filhos é de 1895. No Arquivo Público Mineiro há um exemplar da edição de 1896, cuja ficha técnica pode ser examinada (aqui). 

Voltar


Demais posts da série:


Publicado por Guimaguinhas em 13/03/2014 às 10h39
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Espaço Francisco de Paula Vítor (Padre Vítor)

 

Aprendizado Espírita Net

 

 

As Águas Virtuosas de Lambari e a devoção a N... R$1,00
Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: