Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
24/06/2016 08h02
MEMÓRIAS POLÍTICAS DE AGUINHAS (5) - E então ÁGUAS VIRTUOSAS virou LAMBARI...

SUMÁRIO


Introdução

Em 1930, por meio do Decreto nº 9.804, de 28 de dezembro, o sugestivo, majestoso e centenário nome de nossa cidade foi alterado de ÁGUAS VIRTUOSAS para LAMBARI.

Neste post, vamos conhecer as razões históricas, políticas e legais dessa mudança.

Vamos lá.

Voltar


As origens da Região do Lambari

No Século XVIII, uma expedição de baianos e paulistas penetrou rumo ao Oeste, cortando a Mantiqueira pela garganta do Embaú em direção ao Sertão do Rio Verde. Nessa caminhada, nomeiam Pouso Alto e chegam a um afluente do rio Verde, que denominam de Baependi. A notícia de ouro nas terras banhadas pelos rios Verde e Sapucaí chegou a São Paulo e rapidamente houve o deslocamento de homens para essa direção. [1]

Foi a picada feita por essa expedição que deu origem à Estrada Geral, em torno da qual surgiram as cidades de Campanha, Pouso Alto, Aiuruoca, São Gonçalo do Sapucaí, Itamonte e outras.

A Estrada Geral ligava a Corte (Rio de Janeiro) à cidade de Campanha (MG), passando por:

  • São José do Picu (atual Itamonte, MG), no Alto da Mantiqueira; 
  • Pouso Alto, MG; 
  • proximidades do Rio Lambari (que nasce em Cristina, MG e passa por Jesuânia, MG); 
  • e as fontes das Águas Virtuosas de Campanha (atual Lambari, MG).

A partir de meados dos anos 1700, dois fatos contribuíram para colonização da região do Rio Lambari: em paralelo à Estrada Geral, e no trecho mais próximo ao Rio Lambari surgiram as primeiras casas e agrupamentos de moradores, que foram se estabelecendo com pequenas lavouras. Em 1749, aparece pela primeira vez o nome de um morador na região: Manuel Vieira. Em 1753 surge a distinção entre Lambari de Cima e Lambari de Baixo, prova de que iam aparecendo moradores em ambas as partes da estrada. E desde 1755 é conhecido o sítio do Lambari, de onde surgiu a povoação que deu origem ao atual município de Jesuânia.   [2]  [8]

E nas fontes das águas minerais, surgiu a Paragem da Água Virtuosa. [2] [3]

Voltar


O Rio Lambari

A região de Campanha do Rio Verde foi descoberta pelos paulistas por volta de 1720, tendo pouca divulgação até 1737, quando em 2 de outubro, uma expedição militar sob o comando do ouvidor da Vila de São João Del Rei, Cipriano José da Rocha, veio com a incumbência de reconhecer a região, desbravar os sítios desconhecidos ao longo da bacia dos Rios Verde, Sapucaí e Palmela e tomar posse do território em nome do Rei. [4]

Durante essa empreitada, Cipriano José da Rocha fundou um povoado, batizando-o com o nome de Arraial de São Cipriano. Esse povoado deu origem à cidade de Campanha.

E foi nessa oportunidade que Cipriano José da Rocha conheceu o Rio Lambari. De fato, diz ele no ofício então mandado a D. Martinho de Mendonça de Pina e Proença, governador da capitania mineira:

As terras destas Minas é (sic) uma dilatada Campanha do Rio Lambari para dentro. Exceto uma serra que tem seu princípio no mesmo rio e se dilata por espaço de uma légua, toda coberta de matos, por onde vem a estrada que mandei abrir e achei muito capaz. São os ares muito alegres, de maravilhosa vista e com melhor assento que as terras de São João d'El Rei. Tem o Lambari copiosa abundância de peixe grosso e miúdo, de admirável sabor e gosto, por ser todo de pedras o rio. E com redes que trouxe fiz uma grande pescaria, sem muito trabalho. (Grifei) [5]

Voltar


Águas Virtuosas do Lambary

No início do século XIV, já acreditando nos valores medicinais das águas da antiga fazenda Trás da Serra, a Câmara de Campanha compra parte dessa terra que passou a ser conhecida como Ágoa Virtuosa.

Em decorrência dos valores medicinais dessas águas santas, criou-se o povoado que foi distrito de Campanha até 1901, quando é fundado o município, com o nome de Águas Virtuosas, mais tarde, Lambari.  [18]

Voltar


Mapas da região do Rio Lambari

Fonte: Atlas Chorograhico Municipal


Fonte: CARROZO, 1988, p. 34

Observações quanto ao mapas acima:

  • A atual cidade de Lambari (MG) surgiu de extensão de terras desmembrada do município de Campanha (MG) e Baependi (MG). Antes de tornar-se município, essa extensão chamou-se Águas Virtuosas de Campanha, e abrangia áreas correspondentes aos atuais municípios de Jesuânia (MG) e Conceição do Rio Verde (MG)
  • Assim, a “Lambari” indicada no mapa se refere à "antiga Lambari" (que atualmente é a cidade de Jesuânia, MG)
  • A “Águas Virtuosas” indicada no mapa se refere à atual Lambari (MG).
  • O Rio Lambari nasce em Cristina (MG), passa por Jesuânia (MG), e ao se encontrar com o Rio Mumbuca (antigo Lambarisinho ou Lambari Pequeno) forma o Rio Itaici, que desagua no Rio Verde, em Conceição do Rio Verde (MG).

Fonte: A circulação entre o Rio de Janeiro e o Sul de Minas Gerais, c. 1800-1830 -   
Cristiano Corte Restitutti


Estrada Real: mapas dos caminhos das Minas Gerais para o Atlântico (Fonte: Rede Graal)

Voltar


A expressão ÁGUAS VIRTUOSAS

Além da importância fundamental ao meio ambiente, as águas de fontes santas, milagrosas ou curativas possuem estreita correlação com a origem, história, tradição, saúde, religião, ciência e economia humana.

Fontes de águas “milagrosas” no Brasil - Fábio Tadeu Lazzerini e Daniel Marcos Bonotto


A expressão Águas Virtuosas designava as propriedades curativas e medicamentosas das águas minerais e sua ação terapêutica e preventiva em face de diversas doenças. Expressões como água santa, milagrosa ou curativa também foram usadas para nomear as águas minerais em diversas regiões do País.  [6] 

Em Minas Gerais, dois filões geológicos de águas virtuosas, constituindo cada um deles uma bacia subterrânea independente, brotam do Planalto da Mantiqueira: Lambari e Cambuquira — Caxambu e São Lourenço. [7] 

Note-se que expressão águas virtuosas foi associada também às águas de Caxambu e Cambuquira, descobertas posteriormente às de LambariAs Águas Virtuosas de Baependy (depois Caxambu) foram descobertas em 1814, e as Águas Virtuosas de Cambuquira, nos anos 1860.

Por sua vez, a descoberta das Águas Virtuosas de Lambary ocorreu anos antes, em 1780/90, sendo elas designadas inicialmente por Águas Virtuosas de Campanha do Rio Verde, Águas Santas da Campanha e Águas Virtuosas da Campanha. Quando foram descobertas, eram conhecidas em todo território nacional apenas duas fontes hidrominerais: a fonte do Cipó, na Bahia, descoberta em 1730, e a fonte de Caldas Novas, em Goiás, descoberta em 1737.  [8] 

Em torno dessas fontes, surgiu a povoação de Águas Virtuosas, a qual, em 1850, foi elevada à condição de Paróquia (Lei Mineira n. 487, de 28 de junho de 1850). E foi a partir dessa data que a povoação recebeu o nome oficial de Águas Virtuosas e que se deu a divisão da "velha região do Lambari" (que abrangia a atual Jesuânia e a atual Lambari) em duas freguesias: a da Águas Virtuosas (recém criada), e a do Lambari (atual Jesuânia), pertencentes, ainda, à cidade de Campanha. [8] 

A Lei estadual n.° 319, de 16 de setembro de 1901, instituiu o município de Águas Virtuosascom território desmembrado dos de Campanha e Baependi, ocorrendo a instalação a 2 de janeiro do ano seguinte.


Fonte: O Constitucional, Ouro Preto, MG, 3, out, 1868, anuncia a chegada da Princesa Isabel a Águas Virtuosas, então pertencente a Campanha.


Fonte: A Província de Minas, Ouro Preto, MG, de 3, out, 1885, faz referência às Águas Mineraes do Lambary


Fonte: O Baependyano, Baependy, MG, de 18, abr, 1885, faz propaganda de hotel em Águas Virtuosas do Lambary.


O topônimo LAMBARI

Fonte: Francisco de Assis Carvalho (Entre a palavra e chão: memória toponímica da Estrada Real)


Veja também:

  • Pequena pesquisa sobre o topônimo LAMBARI (aqui)

Voltar


As razões alegadas

A principal motivação para edição do decreto 9.804/1930, mencionada pelo então Presidente do Estado, Olegário Maciel, foi de que a mudança do nome da cidade era "desejo dos seus habitantes, manifestado em memorial que lhe dirigiram".

A elaboração desse memorial foi encabeçada pelo diretório político da cidade, do qual participavam, entre outros, o Coronel Serafim de Paiva, o Dr. Manoel Airosa, o Coronel Ovídio Albino e o Coronel Oliveira Lobo. No documento,  alegava-se, entre outras coisas:

  • que as fontes hidro-minerais aqui existentes eram conhecidas como águas de Lambary, e que também a estância era conhecida como Lambary;
  • que a propaganda das águas da estância era feita sob a denominação de Lambary;
  • que era comum a confusão da estação férrea de Águas Virtuosas, com a estação  de mesmo nome existente no estado de São Paulo (veja aqui);

Fonte: Jornal do Comércio, de 16, abr, 1893.


Eis um resumo do memorial supracitado:

 

Fonte: Jornal A Noite, de 8,dez,1930.

Voltar


Repercussões


O Decreto nº 9.804, de 27 de dezembro de 1930

Voltar


Referências

  1. http://sergiopiquetopolis.blogspot.com.br/
  2. http://www.ograndematosinhos.com.br/isabel/outro_matosinhos_84.htm
  3. LEFORT, Mons. José do Patrocínio. A Diocese da Campanha, 1993, pág. 206
  4. FERREIRA DA SILVA, Edna Mara.  Fronteiras ao Sul do Sertão das Minas: Aspectos da formação da Vila da Campanha da Princesa (aqui)
  5. CARROZZO, João. História Cronológica de Lambari - Nascida Águas Virtuosas da Campanha. Piracicaba, SP, Ed. Shekinah, 1988, pág. 20
  6. LAZZERINI & BONOTTO. Fábio Tadeu; Daniel Marcos. Fontes de águas “milagrosas” no Brasil - [Artigo] Ciência e Natura, v. 36 Ed. Especial II, 2014, p.559-572 - Disponível  (aqui)
  7. MOURÃO, Mário. Tratamento hydro-mineral das molésticas do fígado. RJ, Jornal do Comércio, 1939, p. 37
  8. MILEO, José N. Subsídios para a história de Lambari. Guaratinguetá, SP : Graficávila, 1970, págs. 12 e 56.
  9. Atlas Chorograhico Municipal - http://www.albumchorographico1927.com.br/
  10. Rede Graal
  11. http://memoria.bn.br
  12. Jornal A Noite, edições de 8, 19 e 29 de dezembro de 1930; e 2 janeiro de 1931
  13. Jornal O Fluminense, edições de 14 e 29 de dezembro de 1930
  14. Jornal do Comércio, edição de 16 de abril de 1893
  15. O Baependyano, Baependy, MG, edição de 18 de abril de 1885
  16. A Província de Minas, Ouro Preto, MG, edição de 3 de outubro de1885
  17. O Constitucional, Ouro Preto, MG, edição de 3 de outubro de 1868
  18.  Atlas Chorograhico Municipal - http://www.albumchorographico1927.com.br/

Voltar


 

 

 

 

 


Publicado por Guimaguinhas em 24/06/2016 às 08h02
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: