Guimagüinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
11/12/2017 20h16
MEMÓRIAS DE AGUINHAS - Cassino de Lambari - A obra-prima de Américo Werneck

Ilustração: Cassino de Lambari, detalhes da fachada. Fonte: Site IEPHA/MG


SUMÁRIO


Apresentação

Sobre o nosso Cassino já publicamos diversos posts, como estes:

  • O centenário Cassino de Lambari - aqui
  • Obras de Werneck - O Cassino de Lambari -  aqui
  • O Cassino de Lambari e a homenagem ao sol - aqui
  • O fechamento dos cassinos -  aqui

Neste post vamos comentar a reforma por que vem passando o Cassino de Lambari e sua destinação para instalação do Museu das Águas.

Confira.

Voltar


Werneck, um visionário

As “águas virtuosas” desabrocharam a povoação que se fez sobre as propriedades terapêuticas de suas fontes. A partir de 1909, iniciou-se uma nova fase para a antiga Águas Virtuosas.

A Lambari atual tem sua origem em 1909, fruto do sonho visionário de um homem, e do apoio do Estado, que viu na pequena estância hidromineral o potencial para se tornar o maior complexo de lazer do país, uma “Vichy” brasileira em nada inferior aos balneários europeus. O símbolo máximo deste sonho, o Cassino, imponente edifício que impressiona ainda hoje pela grandiosidade e beleza de suas linhas, domina a paisagem da pequena cidade. Este grandioso edifício, destinado a se tornar o maior templo da indústria de entretenimento do pais, símbolo da ousadia empreendedora do Dr. Américo Werneck, infelizmente não conheceu as glórias  sonhadas. No entanto, resistindo ás intempéries políticas e contendas humanas, chegou até nossos dias ainda em sua arrogante magnitude merecendo do povo mineiro o seu reconhecimento como patrimônio cultural do Estado.

Carlos Henrique Rangel (Historiador)


Transformar a acanhada Vila de Águas Virtuosas numa estância hidromineral moderna, capaz de concorrer com as melhores da Europa — o sonho de Américo Werneck foi longamente visionado por mais de 20 anos.

De fato, desde que chegara a Águas Virtuosas de Lambary, em 1889, começou a devanear essa possibilidade. E nos anos seguintes, empregou todos os seus recursos — o gênio criador, a formação técnica, a atividade parlamentar, os contatos políticos, o trânsito no mundo das letras, o relacionamento com a imprensa — na realização da maior de suas fantasias.

O sonho começou a ser realizado quando, com o apoio político e financeiro do Governo de Minas, nas figuras de Wenceslau Braz e Bueno Brandão [presidentes do Estado em 1909/10 e em 1908/09 e /1910/14, respectivamente], contratou a empresa carioca Poley & Ferreira para projetar as edificações e melhorias, transformando a vila modesta, por cerca de 2 anos, num formidável canteiro de obras.

Parte desses projetos foram inaugurados em 24 de abril de 1911, e entre eles a joia do conjunto imaginado por Werneck - o Cassino.


O Cassino do Lago

Com linhas arquitetônicas de um gosto apurado, de estilo barroco e neoclássico, o prédio ocupa uma área de 2.800 m2 e situa-se defronte a um lago artificial, que era iluminado por um farol e oferecia aos turistas legítimas gôndolas de Veneza para passeios.

Cassino é palavra originária do italiano casinó, com o mesmo significado: Casa ou lugar de reunião para jogos de azar, geralmente com espetáculos de música e dança. 


Frontão da fachada principal do Cassino de Lambari (Reprodução: estilonacional.com.br)


Era isso que se esperava fosse o nosso Cassino do Lago, a mais bela obra de todo o conjunto arquitetônico e paisagístico pensado  e construído por Américo Werneck.

Mas assim não se deu. Na verdade, no cassino de Lambari, os caça-níqueis, as roletas e as mesas de apostas só funcionaram na noite da inauguração, e assim mesmo de forma parcial, visto que havia equipamentos de jogos e diversões ainda incompletos e/ou não instalados, e problemas na iluminação do imóvel. E foi nesse estado que a obra foi inaugurada em 24 abril de 1911.

Pouco mais de um ano depois, isto é, em 16 de maio de 1912, quando Werneck arrendou ao Governo de Minas a estância de Águas Virtuosas, as obras e instalações do cassino ainda não tinham sido concluídas. E, a partir de 27 de junho de 1913, data em que teve início a discussão judicial do contrato de arrendamento citado, nada mais se fez nas décadas seguintes para completar o projeto original.

  • Sobre essa demanda célebre, conhecida por Questão Minas x Werneck, veja aqui e aqui.

Retomado em 1922 pelo Governo do Estado, o prédio passou pelas mãos de órgãos estaduais e da municipalidade. Nesse tempo, sofreu diversas reformas, que descaracterizaram áreas internas, mas mantiveram a originalidade da fachada. 

Atualmente, o prédio passa pela quinta reforma de sua história, uma reforma predial e restauração de seus interiores, e nele se pretende instalar o Museu das Águas. Confira:

  • A reforma do Cassino de Lambariaqui 
  • De Cassino a Museu - aqui
  • O Museu das Águas - aqui.

Voltar


Descrições do Cassino de Lambari

Veja algumas descrições do Cassino de Lambari:

  • O Cassino de Lambari - Nélson de Senna e Armindo Martins - aqui
  • Jornal O PAIZ, de 25 de abril de 1911 - aqui
  • Os interiores do Cassino - Francislei Lima da Silva - aqui
  • Site www.circuitodasaguasdeminas.com.br - aqui

Voltar


Reformas ao longo das décadas

Segundo o historiador Carlos Henrique Rangel [4], ao longo das décadas, o Cassino de Lambari passou por algumas reformas, a saber:

  • 1923 - Governo Raul Soares - obras de conservação e restauração dos serviços de água e luz elétrica (a)
  • Anos 1950 - realizada sob direção de Mary Vieira, responsável por grandes mudanças no prédio. (b)
  • Década de 1960 -  O Cassino, o Lago e o Parque da Águas foram incorporados ao patrimônio da Hidrominas – Águas Minerais de Minas Gerais S/A. Ainda nos anos 60, o prédio sofreu nova intervenção descaracterizante, agora no ano de 1963. (c)
  • 1980 - Foi assinado um convênio entre a Codeurb - Companha de Desenvolvimento Urbano, as Secretarias Estaduais de Planejamento, da Indústria e Comércio, a Turminas - Empresa Mineira de Turismo - e a Prefeitura Municipal de Lambari, para uma grande reforma do imóvel. (d)
  • 1986 - Em 1o. de março de 1986, a Prefeitura Municipal de Lambari recebeu em comodato da Hidrominas o prédio do Cassino. Esse contrato, com duração de 5 anos, estabeleceu que a prefeitura deveria conservar, construir e executar às suas expensas, a restauração do prédio. (e)
  • 1998 - Nesse ano, sob o controle da Comig – Companhia Mineradora de Minas Gerais (criada em setembro de 1994), o imóvel sofreu nova reforma, visando sua transformação em um centro de convenções. O plano porém não foi completado, e houve diversas intervenções inadequadas, como retirada de calhas de colhe e madeiramento e do vitrô oval (que, se supõe, representava papel importante na observação do solstício de verão*)

  • (a) MENSAGEM dirigida pelo Presidente do Estado, Raul Soares de Moura, ao Congresso Mineiro; 1923. Bello Horizonte, Imprensa Official, 1923. p. 141. 
  • (b) FOLHA DAS ÁGUAS, mai/jun. 1998. p. 8
  • (c) ESTADO DE MINAS. 31 AGO. 1980. 1º CAD. p. 6.
  • (d) Estado de Minas, Belo Horizonte, 2 set. 1980. p. 8. 
  • (e) COMIG. CASSINO P. 131. Contrato de Comodato do Cassino 1 março 1986.
  • (f) FOLHA DAS ÁGUAS, maio/jun. 1998. p. 8.

 

(*) Veja:  O Cassino de Lambari e a homenagem ao sol - aqui

Voltar


Diversos usos do Cassino de Lambari

Na sua longa vida de mais de 100 anos, o Cassino foi objeto de diversas ocupações e funções, a maioria fora do plano original, intercaladas por períodos de abandono e subutilização. Entre os usos dados a ele, podemos citar:

  • Utilização em solenidades, bailes, formaturas e atividades culturais e serviços sociais.
  • Instalação da Prefeitura e da Câmara.
  • Instalação da Secretaria de Turismo e Cultura, da Biblioteca Pública Municipal e do Museu Américo Werneck.
  • Instalação de parte do Fórum da cidade.

A todo esse descaso, deve-se juntar também um incêndio ocorrido em 2000, num dos cômodos do andar térreo, que consumiu inúmeros livros  ali guardados. Felizmente, o incêndio foi contido e não houve maiores danos ao imóvel. (Veja aqui)


O conjunto arquitetônico e paisagístico do Cassino

O Conjunto Arquitetônico e Paisagístico do Cassino de Lambari compreende o Lago Guanabara, o Farol e o Parque Wenceslau Braz.

Atualmente o prédio do Cassino é tombado como Patrimônio Histórico e Cultural pelo município (Decreto 1.059/2000) e pelo IEPHA-MG (Conselho Curador do IEPHA/MG em 14 de agosto de 2002).



Confira: Site do IEPHA-MG - Tombamento do Cassino - aqui


O Cassino no Guia de Bens Tombados do IEPHA/MG

O volume 2 do Guia de Bens Tombados, do IEPHA/MG, traz um belo texto de Ailton Santana sobre o nosso Cassino.

Confira nas págs. 129-32, neste link aqui


Reprodução: texto sobre o Cassino de Lambari, no Guia de Bens Tombado, vol. 2, do IEPHA/MG


O Museu Folclórico

Gustavo Barroso, professor, ensaísta e romancista, membro da Academia Brasileira de Letras, autor de mais de 120 livros de história, folclore, ficção, biografias, memórias, política, arqueologia, museologia, economia, crítica e ensaios, além de dicionário e poesia, frequentou Lambari durante décadas e aqui possuía o Retiro do Lago — sua casa de veraneio, a qual visitava 8 temporadas por ano.

Pois bem, em 1952, Barroso dirigiu carta ao então Governador de Minas, Juscelino Kubitschek, propondo a transformação do Cassino de Lambari em um Museu Folclórico, e oferecendo ajuda para tal desiderato.

Recorde-se que o conhecido museólogo possuía capacidade técnica e gerencial para auxiliar na concepção e execução do projeto, visto tanto seus estudos, ensaios, assessoria e prática na área de história, museologia e folclore, como sua experiência como fundador e diretor do Museu Histórico Nacional. Veja aqui

Confira esta carta na íntegra:


Cópia datilografada - Reprodução. Fonte: Acervo Gustavo Barroso

Rascunho manuscrito - Reprodução. Fonte: Acervo Gustavo Barroso

Voltar


Outros textos e referências sobre o Cassino de Lambari

Voltar


Referências

  1. http://www.estilonacional.com.br/web/?portfolio=antigo-cassino-em-lambari-mg
  2. http://www.varginhaonline.com.br
  3. http://www.iepha.mg.gov.br
  4. Carlos Henrique Rangel (Historiador) - Lambari: o município ea estância hidromineral - Histórico elaborado para o Processo de Tombamento do Conjunto Arquitetônico do Cassino de Lambari – IEPHA/MG.
  5. SILVA, Francislei Lima da. Os monumentos da água no Brasil, 2011, p. 85 - Disponível aqui
  6. Guia de Bens Tombado, vol. 2, do IEPHA/MG - Disponível aqui
  7. Jornal O Paiz - Edições 24 e 25 de abril de 1911 (bn.digital)
  8. Acervo Gustavo Barroso - Disponível em: http://mhn.museus.gov.br/

Voltar


 

 

 


Publicado por Guimaguinhas em 11/12/2017 às 20h16
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

As Águas Virtuosas de Lambari e a devoção a N... R$10,00
Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: