Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
28/05/2013 07h34
Condomínio Imperial

No livro Abigail [Mediunidade e redenção], há um capítulo no qual narro determinado momento da vida da personagem em que ela, seus pais e um irmão trabalharam no Hotel Imperial. Eis alguns trechos:


Um pouco mais à frente, Margarida conseguiu emprego como arrumadeira no Hotel Imperial, e a família pôde alugar a parte de cima da casa e sair daquele porão sufocante. Algum tempo depois, também Abigail foi trabalhar no mesmo hotel: com sua letra bonita conquistou vaga na portaria, onde era responsável pelo cofre, setor no qual se registravam e guardavam os objetos de valor dos hóspedes. José melhorou, mas não podia pegar serviço pesado. Experimentou, então, trabalhar de empregado. Foi ser guarda-noturno no Hotel Imperial. Rondava os fundos do prédio, na Parada Mello [...]
...........................
Na seca, Joãozinho ia carrear com o pai; nas temporadas, trabalhava de comi (*) no Hotel Imperial, e, nessas ocasiões, o Dé, então com dez para onze anos, é quem lhe cobria as faltas na farmácia dos Lisboa. (1). 

Ainda em Abigail [Mediunidade e redenção], conto que minha avó materna [Margarida] foi funcionária do Hotel Imperial e do Grande Hotel. No Imperial, trabalhou na rouparia e lavanderia; indicada por Tereza, mulher do maître Paulo Hanzgruber, veio a substituí-la no posto de governanta geral, e nessa função foi que se aposentou. E assim também lá trabalhou minha tia Irene, irmã de meu pai, que chegou a explorar, juntamente com Darci, seu marido, e por um bom tempo, uma lanchonete no Imperial, isso já na fase do condomínio. E, acrescento também, que em post anterior (2), narrei algumas peripécias do menino-serelepe nesse mesmo hotel. 

Cito esses fatos para registrar a grande ligação de minha família, pelo lado paterno, com o Imperial, e bem assim dos netos de Margarida, que vivemos boa parte de nossa infância nas suas dependências. Por todas essas razões, o fechamento do hotel e sua transformação em condomínio foi um momento de grande tristeza para todos nós.

Tal fato se deu em 1963, e os anúncios de venda, de página inteira, foram publicados nos maiores jornais do País. Na Folha de S. Paulo apareceram nas edições de 3 e 10 de março de 1963. Uma semana após o primeiro anúncio, 70% dos apartamentos já haviam sido vendidos! (3)

Eis o anúncio publicitário na edição de 10 de março de 1963 do jornal Folha de S. Paulo:



(*) Do Vocabulário de Aguinhas: Comi = Auxiliar (aprendiz) de garçom.

(1) Cap. 20 - Hotel Imperial, do livro ABIGAIL [Mediunidade e redenção], de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas), assina a coletânea HISTÓRIAS DE AGUINHAS. Veja o tópico Livros à venda.

(2) V. o post Hotel Imperial, neste link: http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=37406

(3) Colaboração de Wagner Augusto, amigo de Lambari, do Imperial e leitor destas páginas eletrônicas.


Publicado por Guimaguinhas em 28/05/2013 às 07h34
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: