Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
11/08/2013 11h35
Memorias de Aguinhas (15) - Obras fundadoras da cidade (1)

Resumo histórico até o início dos anos 1900

Sumário


Introdução

Neste texto, mais longo do que os habituais, faremos um resumo histórico da formação da estância hidromineral de Lambari - criação, urbanização, embelezamento, as grandes obras (cassino, lago, farol).

Como convém a um post, procuramos resumir os pontos focalizados, ilustrá-los, tanto quanto possível, e citar obras e textos de referência em que os temas aparecem mais desenvolvidos.

Nesta primeira parte, vamos examinar os tópicos constantes do Sumário acima.

Voltar


A descoberta das fontes, a formação do povoado e os primeiros estudos da água virtuosa

No texto abaixo, disponível no site da Prefeitura Municipal de Lambari, o leitor vai encontrar um resumo de pontos tais como: a descoberta das águas, o surgimento e evolução da vila, as primeiras obras de saneamento e canalização das fontes e as pesquisas iniciais sobre as propriedades curativas das águas.

Clique aqui: História de Lambari

Voltar


Resumo histórico-administrativo

A atual cidade de Lambari, de povoação foi elevada à categoria de Freguesia pela Lei-Provincial nº 487, de 28/06/1850, e a  Distrito de Paz pela Lei nº 998, de 27/06/1859. Depois, tornou-se Distrito (Lei-Estadual nº 2, de 14/09/1891), e a seguir Município (Lei-Estadual nº 319, de 16/09/1901), o qual foi instalado em 2 de janeiro de 1902. Denominava-se, então, Águas Virtuosas da Campanha, e, a partir do Decreto nº 9.804, de 27/12/1930, passou a se chamar Lambari.

Para saber mais, veja este link, disponível na página da Câmara Municipal de Lambari: Cronologia do município de Lambari

PRESIDENTE: João Lisboa - VICE-PRESIDENTE: Gabriel Romão Carneiro - SECRETÁRIO: Oscar Paes Pinheiro - VEREADORES Joaquim Manoel de Melo, Bibiano José da Silva, Martinho Vaz Tostes, Egydio de Lorenzo - VEREADOR ESPECIAL DE CONCEIÇÃO DO RIO VERDE: Deusdedith Vieira - VEREADOR DE LAMBARI:  Francisco Antônio Correa

Voltar


A visita da Princesa Isabel e Conde D'Eu

Fator dos mais relevantes, que levou ao surgimento e evolução das estâncias hidrominerais, no final do século XIX, foi a simpatia da família real - e da elite ligada ao Império - pelas águas minerais e termais. De fato, D. Pedro II e a Imperatriz Thereza Cristina estiveram em Poços de Caldas em 1861. E em 1868, a Princesa Isabel e o Conde D'Eu fazem estação em Águas Virtuosas de Lambary (atual Lambari) e Águas Virtuosas de Baependy (atual Caxambu). (1)

Família Imperial fotografada por Otto Hees. Da esquerda para direita, Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias, D. Antônio, D. Isabel, D. Pedro II, D. Pedro Augusto de Saxe-Coburgo, Conde d'Eu, e os príncipes Luís e Pedro de Alcântara na Casa da Princesa Isabel e do Conde D'Eu (1888). (Fonte: Wikipedia)


 Gastão de Orleans - O último Conde D'Eu - de Alberto Rangel

Sua Alteza, o Conde D’Eu, quando viajou por estas bandas, em companhia da Princesa Isabel, anotou, no dia 10.10.1868, em carta ao seu pai:

Então, aqui, nós também tomamos as águas. É uma parada higiênica em nossas viagens através do Brasil que nos prende cada vez mais. (...) A estada dos viajantes é uma distração ardentemente desejada [...] os arredores daqui são encantadores para excursões a cavalo; os dias são de deliciosa primavera e dificilmente se encontra recanto mais bonito.

E terminou afirmando que a decantada Floresta Negra, com sua cadeia de montanhas que correm paralelas ao Reno, não é mais pitoresca do que o aprazível lugar em que se encontra. (2)

Voltar


Garção Stockler e o desenvolvimento do lugarejo

Como vimos em post anterior, no tópico As fontes das águas de Lambari, a vinda de Garção Stockler para residir no município, as obras que realizou, o trabalho político que empreendeu e a divulgação que fez das águas minerais foram pontos fundamentais para o desenvolvimento do vilarejo. Daí porque Stockler é considerado como o criador da estância hidromineral, como centro de vilegiatura e de tratamento.  (3)

Coube também a ele obter a aprovação de um plano de saneamento e embelezamento da vargem - extensa área de terreno pantanoso e aladiço, situado em ponto central da povoação. Essa área correspondia a onde hoje estão construídos o Grupo João Bráulio, o Estádio do Águas Virtuosas, os prédios do Grande Hotel, Hotel Glória e demais circunvizinhos. (4)

Voltar


A estrada de ferro

A Estrada de Ferro Muzambinho chegou a Jesuânia em 1894. Em 1o. de março, essa estação (chamada então Bias Fortes) foi inaugurada. No dia 24 do mesmo mês a estrada de ferro chegava às Águas Virtuosas.  (5) A primeira estação foi a Parada Melo, a estação ferroviária de Águas Virtuosas foi inaugurada alguns anos depois.


Antes de 1894, podia-se chegar de trem até Contendas (Conceição do Rio Verde), e depois fazer o restante do trajeto até  Águas Virtuosas por meio de cavalo, troles ou liteiras. Veja-se o anúncio acima.


Fonte: CARROZO, 1988, p. 34

Observações quanto ao mapa acima:

  •  Lambari surgiu de extensão de terras desmembrada do município de Campanha. Antes de tornar-se município, essa extensão chamou-se Águas Virtuosas de Campanha, e abrangia áreas correspondentes aos atuais municípios de Jesuânia e Conceição do Rio Verde.
  • Assim, a “Lambari” indicada no mapa se refere à antiga Lambari, que atualmente é a cidade de Jesuânia.
  • A “Águas Virtuosas” indicada no mapa se refere à atual Lambari.
  • No mapa, pode-se ver o trajeto do trem da RMV (Rede Mineira de Viação) até Freitas: saindo de Águas Virtuosas e passando pela antiga Lambari (atual Jesuânia).
  • Nele também se pode ver o trajeto da RMV para Cambuquira, passando por Nova Baden.

Veja no mapa abaixo a antiga malha ferroviária de nossa região, que passava por Lambari, Cambuquira e Campanha até o final da linha, em São Gonçalo do Sapucaí.

Mapa Ramal de Campanha, 1956 - Fonte: http://www.estacoesferroviarias.com.br

Voltar


Grupo político responsável pelo desenvolvimento da estância

Garção Stockler fundou também um agrupamento político a que pertenceram os Drs. João Bráulio Júnior, Américo Werneck e o sr. João de Almeida Lisboa.  

De fato,

[...] Américo Werneck se fixou em Águas Virtuosas e encontrou ali um grupo há tempos estruturado, que pugnava pelo desenvolvimento do lugarejo, apostando no empreendedorismo da exploração das águas minerais e construção de uma estância balneária confortável e atraente aos visitantes. Esse grupo local agregou considerável  capital político ao longo da década de 1890...  (6)

Em Lambari, em 1889, Werneck se estabeleceu na Fazenda dos Pinheiros, e passou também a defender os interesses da estância balneária.  (7) 

Em 1898, então como Secretário da Agricultura do Estado, formou em Lambari a colônia agrícola de Nova Baden, concedendo áreas de 4 a 6 alqueires de terra a colonos austríacos, alemães e italianos. (8) 

Em 1901, foi inaugurada a estação ferroviária de Nova Baden, visando a contribuir para o desenvolvimento da colônia agrícola. [V. Nota 1 abaixo]. A gleba de terra retalhada em lotes, entregues àquelas famílias, contudo, não conseguiu fixar os beneficiários. Pouco depois lá permanecia reduzido número dos primeiros colonos. (9)

Após isso, Werneck criou o Horto Florestal, mais tarde transformado no

Posto de Seleção de Sementes, mantido pelo Governo, vasta área coberta de pinheiros e eucaliptos, densa mata virgem, veios d'água tributários do Ribeirão Mumbuca formam cerca de sete quedas, cada qual mais bonita. (10)

Esse empreendimento é atualmente uma reserva biológica, chamada Parque Estadual de Nova Baden. [V. Nota 2 abaixo].

Voltar


Criação da Prefeitura de Águas Virtuosas e o primeiro prefeito 

O grupo político de Garção Stockler

desempenhou aguda empreitada pelo desenvolvimento da localidade. Batalhou incansavelmente pelo reconhecimento da singularidade de suas águas e passou a pleitear junto do governo estadual investimentos para a construção de uma estância balneária nos moldes europeus. (11)

E coube a Francisco Sales, no governo de Minas, dar às estâncias do Estado um impulso decisivo, com a criação das prefeituras e uma legislação específica para custeio das obras de melhoramento das estâncias balneárias. (12)

Com isso, a partir de 1905, Caldas, Cambuquira e Caxambu se beneficiaram da nova legislação. Mas, em 1909, Águas Virtuosas passou a figurar nesse seleto grupo. Assim  foi que em 12 de maio de 1909, pelo Decreto Estadual nº 2.528, foi criada a Prefeitura de Águas Virtuosas, Américo Werneck nomeado prefeito e uma grande soma de capital foi posta para desenvolvimento da cidade e realização de obras. (13)

Voltar


Aspectos da cidade - Final do Século XIX - Início Século XX

Centro antigo de Lambari - antes da ampliação do Parque das Águas

Vista de Lambari, em 1896

Rio Mumbuca, obras de mudança do curso, próximo dos anos 1900

 

Vista parcial de Lambari, em 1900

Aspecto da várzea (próximo dos anos 1900)

Cidade vista da várzea (próximo dos anos 1900)

Uma vista antiga do Parque das Águas e da Praça da Liberdade

Fontes das Águas, início anos 1900

Vista da cidade, em 1911

Voltar


Materiais de referência

Livros

CARROZZO, João. História cronológica de Lambari. Piracicaba, SP : Shekinah Editora e Gráfica, 1988.

MARTINS, Armindo. Lambari - A cidade das Águas Virtuosas. 1a. edição, 1949; 

MILEO, José Nicolau. Subsídios para a história de Lambari. Guaratinguetá, SP : Graficávila, 1a. edição, 1970a; 

MILEO, José Nicolau. Ruas de Lambari. Guaratinguetá, SP : Graficávila, 1a. edição, 1970b.

VIOLA, Paulo Roberto Viola. Lambari, como eu gosto de você. Rio de Janeiro : Ed. Navona, 2002.

Monografias

CASTILHO, Fábio Francisco de Almeida. A Construção da Estância Balneária de Águas Virtuosas. In Como Esaú e Jacó: as oligarquias sul-mineiras no final do Império e Primeira República. Tese (Doutorado em História). Universidade Estadua Paulista, 2012, págs.123/153. - Disponível em http://www.franca.unesp.br/Home/Pos-graduacao/FABIO.pdf - Visitado em 16, jun, 2013.

SILVA, Francislei Lima da. Monumentos da água no Brasil: Pavilhões, fontes e chafarizes nas estâncias Sul Mineiras (1880-1925) [Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2012. Disponível em: http://www.ufjf.br/ppghistoria/files/2011/01/Francislei-Lima-da-Silva.pdf    - Consultado em 16, jun. 2013.


Referências bibliográficas do texto acima

(1) SILVA, 2012, págs. 29/30. (2) SILVA, 2012, p. 30; MILEO, 1970a, págs. 95/96. (3) MILEO, 1970b, p. 50. (4) MILEO, 1970a, págs. 121 e 130. (5) VIOLA, 2002, p. 117. (6) CASTILHO, 2012, p. 124(7) CASTILHO, 2012, p. 130. (8) MILEO, 1970b, p. 35.  (9) CARROZO, 1988, p. 136.  (10) MARTINS, 1949, p. 109. (11) CASTILHO, 2012, p. 131. (12) CASTILHO, 2012, p. 133. (13) CARROZO, 1988, p. 121; CASTILHO, 2012, p. 134. 


Bibliografia sobre Lambari

Para conhecer uma bibliografia sobre a cidade de Lambari, leia este texto: 

http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=37327


Documentação sobre a história de Lambari

Instituto Histórico e Geográfico de Campanha: http://istoecampanha.blogspot.com.br/2011/06/instituto-historico-e-geografico-da.html

Museu Américo Werneck: http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=36378

Arquivo Público Mineiro: http://www.siaapm.cultura.mg.gov.br/


Notas

Nota 1 - Colônia Agrícola Américo Werneck em Belo Horizonte

Também em Belo Horizonte, em 6 de agosto de 1898, 

surgiram (...) os núcleos "Carlos Prates" e "Córrego da Matta". [Este] foi posteriormente denominado "Américo Werneck" ["designação feita em homenagem ao engenheiro e ex-secretário de Agricultura e Diretor do Departamento de Terras e Colonização que integrava a comissão construtora da capital"]

(...) Tinha superfície de 144 hectares, dividida em 75 lotes, e sua população era constituída, em 1907, de 180 indivíduos entre brasileiros, italianos, portugueses e espanhóis, que cultivavam batatas, milho e hortaliças.  

Fonte: http://www.oriundi.net/site/oriundi.php?menu=categdet&id=5482


Nota 2 - No texto sobre Américo Werneck publicado no site do IEF há dois equívocos. De fato, diz o texto que

O nome do Parque é uma referência ao alemão Américo Werneck, da cidade de Baden-Baden que, no século 19, instalou-se na região. 

No entanto, Werneck era brasileiro, natural de Bemposta, no Rio de Janeiro. O nome Nova Baden trata-se de uma referência à região de Baden-Baden, na Alemanha, que lhe teria servido de inspiração. 


Fotos e ilustrações: Museu Américo Werneck e obras/locais já citados.


Para ver o número 2 desta série, clique aqui: http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=38685#cassino lago


Publicado por Guimaguinhas em 11/08/2013 às 11h35
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: