Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
26/05/2013 06h42
Hotel Imperial - Índice da Série Hotéis de Aguinhas

SUMÁRIO


Apresentação

Este post sobre o Hotel Imperial inicia a Série Hotéis de Aguinhas, cujo índice vai ao pé desta página, neste link.


Hotel Imperial

Em o Menino-Serelepe* conto várias passagens de minha infância vividas no casarão do Pai Véio, meu avô paterno. O velho sobrado se situa(va) ao lado do Hotel América e em frente ao Hotel Imperial. O América não existe mais, o Imperial virou condomínio, mas o casarão ainda continua lá...

Esse local foi um ponto privilegiado de amigos e de brincadeiras, e até hoje tenho vivas as imagens da turma, das lutas e jogos de bola com os veranistas, e a aventura - certamente única - de brincar escondido no túnel do Rio Mumbuca e nas dependências internas do Hotel Imperial.

Aqui vai um resumo dessas memórias, ilustradas por fotos.

Eis como narro o casarão e a brincadeira dos trolinhos de cabos de vassoura:

Voltar


O casarão do Pai Véio e os trolinhos de cabos de vassoura

Na minha infância, vó Margarida morava com a tia Irene mais tio Darci mais os filhos num sobrado enorme e já muito danificado, que conhecera dias melhores em século passado, situado em frente ao Hotel Imperial, e por esse tempo a família ocupava os três andares da metade esquerda do edifício. Nessa casa, nasceram todos os filhos da tia Irene: Beto, Dedei, Randolfo, Darcirene, Elisângela, e nela também se criou o Marcelino, filho adotivo dos meus avós. O andar de cima do sobradão era alcançado por uma enorme e empinada escada de madeira, da qual a criançada, pra descer, nunca usava os degraus: escorregava-se pela peça que arrematava os cantos da escada, com as mãos agarradas nos dilatados corrimões.

E foi depois de muito negociar, com intercessão do pai, do Pai Véio, da vó Cema, que mãe concedeu que eu, já morando na cidade, pudesse ir sozinho à casa da vó Margarida brincar com os primos da banda de lá. E ali formei nova turma de amigos: Beto, Ike, Carzalberto, Marquinho, Toninho, Zé Maria, Dimas e mais umas meninas irmãs desses meninos, além da Regina, filha da dona Zuza. E o cenário das brincadeiras e das artes se expandiu. Pra resumir e pra contar só o diferente, se brincava de trolinho de cabo de vassoura que a gente fabricava pra descer, a jato, o morro da Paradinha Melo. Os trolinhos eram dois cabos de vassouras postos em paralelo, com a parte de baixo untada de sebo de vaca, travados pelo assento e pelo apoio de pé, feitos de madeira. Na lateral do assento, preso por um prego grande, um toco de madeira revestido de pneu, formando uma manivela, que quando acionada tocava o chão, frenando os trolinhos. A pista: o inclinado passeio em frente ao Hotel Imperial, que começava na Parada Melo e terminava fronteiro à porta do sobradão da vó. O trolinho era montado de forma a se encaixar perfeitamente na greta do passeio, que era feito de ladrinhos lá da fábrica do seu Tonico Fernandes.

Do Posto Gregatti, que ficava logo abaixo do sobradão, vinha o óleo para lubrificar as fendas da calçada, que antes eram lavradas, alargadas e aparadas por meio de uma ferramenta improvisada, feita de cinta metálica, do tipo com que antigamente se lacravam os caixotes de mercadorias. E aí se organizavam disputas e campeonatos ferrados. Arranhões, escoriações, a toda hora aconteciam; saía-se, às vezes, meio esfrangalhado, mas de quebraduras, não me lembro.

Voltar


Casarão do Pai Véio, em frente ao Hotel Imperial. Na foto, pode-se ver o alpendre do casarão e a descida da Parada Melo (passeio do centro), onde brincávamos de trolinhos de cabos de vassoura.


Outras brincadeiras e o Hotel Imperial

Noutro trecho do livro, falo de mais brincadeiras e das aventuras no Hotel Imperial:


Por essa época se deu o fechamento do Hotel Imperial, que viria a ser  transformado num condomínio, e o colossal prédio, por uns bons tempos, ficou sem receber ninguém e praticamente deserto, só alguns funcionários trabalhando na manutenção. E nessa instalação gigantesca do Hotel Imperial é que se dava uma das nossas mais fantásticas brincadeiras — o pique-esconde. Iniciávamos pelas cercas de ciprestes próximas ao sobradão, depois saltávamos a mureta do hotel ou trepávamos à laje que dava ao primeiro andar do edifício, entrávamos pelos salões, subíamos pelas escadarias, corríamos pelos extensos corredores. E isso, muitas vezes, à noite. Poucas crianças tiveram espaço tão especial pra brincar de pique-esconde quanto essa turma da rua da casa da vó Margarida. E a brincadeira ia mais longe, pois fazíamos também umas “excursões” que ficaram famosas. Escondidos, andávamos por todos os ambientes do hotel. Penetrávamos no Rio Mumbuca nos fundos do Posto Gregatti, subíamos o rio por sob o túnel e saíamos do outro lado, escalávamos o paredão de tijolos para acessar o antigo cinema do hotel e dali íamos “excursionando”, começando pelo próprio cinema, e depois pelos salões de jogos — que Aguinhas foi cidade onde a jogatina reinou até os anos 40 — pelos jardins, pelas quadras, pelo terreno da caldeira, pela piscina, pelos jardins internos. Depois escalávamos o barranco que dava pros lados da casa do Copide, cruzávamos a cerca-viva de cana-da-índia, saltávamos no leito da linha do trem, percorríamos um trecho até a Parada Melo e por ela reentrávamos no Hotel Imperial, que ali havia um acesso para os passageiros que chegavam de trem. Mas por esse tempo, já trem não havia mais.

Nesse túnel do Rio Mumbuca a turma chegou a manter um esconderijo, feito de objetos duramente catados ao fundo do rio: restos de concreto, tijolos, pedras, que, acumulados, formaram uma elevação na qual durante muito tempo brincamos e pescamos mandis, cascudos e lambaris. Bons tempos aqueles, pois o rio Mumbuca não era ainda tão poluído quanto atualmente.

Na circunvizinhança do Hotel Imperial, nos tempos em que esse assim funcionou, a turma da rua também brincava de coisas mais amenas, como pescar no laguinho do Parque Novo, rodar arquinho (aproveitado de recortes de latões de leite da fábrica do Biaso), bulir com o papagaio da dona Alzira, fazer desenhos de carvão nos muros, bater pelada contra os cariocas, jogar pingue-pongue e bolinha de gude. Ah, e havia também uma “coleção” que inventamos — a de automóveis rabos-de-peixe que consistia no seguinte: cada um que avistasse primeiro os Cadillac, os Oldsmobile, os Studbaker, os Buick, os Ford, enfim, qualquer daqueles vistosos carros de pneus de banda branca dos anos 50 e 60, punha-os na sua “coleção” — e ninguém podia “roubar”. E ficava à frente do jogo quem mantivesse “coleção” mais exuberante, que variava ao sabor das idas e vindas dos veranistas...

Voltar


Automóveis rabos-de-peixe estacionados no Hotel América, que eram objeto de nossa "coleção"...

O Hotel Imperial visto dos fundos, e a Parada Melo vista de frente

Balneário que funcionava nas dependências internas do Hotel Imperial. Ao fundo, a chaminé da caldeira

Fundos do hotel, visto da Praça da Liberdade (fonte luminosa)

Vista da piscina do Imperial

Os luxuosos corredores internos do Hotel Imperial

Veranistas nos jardins internos do Hotel Imperial.

Boliche - com a transformação do hotel em condomínio, parte do Imperial foi desativada, como o cinema. E nesse espaço surgiram o boliche e a boite Tic Tac.


(*) Esta narrativa faz parte do livro Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem, uma ficção baseada em fatos reais da vida do autor, numa cidadezinha do interior de Minas Gerais, nos anos 1960.

O livro é de autoria de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a série MEMÓRIAS DE ÁGUINHAS. Veja acima o tópico Livros à Venda.


Referências:

http://floradaserra.blogspot.com.br/2012/03/turismo-nostalgia-lambari.html

http://www.flickr.com/photos/andre_decourt/2341498815/

Youtube - Piscina do Imperial


Veja também Condomínio Imperial - http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=37428


Índice da Série Hotéis


Publicado por Guimaguinhas em 26/05/2013 às 06h42
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: