Guimagüinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
11/06/2019 08h17
MEMÓRIAS DE AGUINHAS - Basílio de Magalhães e as academias de letras

Ilustração: Basílio de Magalhães. Iconográfico. da Coletânea Sonetos Brasileiros. Garnier. Reprodução. Fonte: bn.digital.gov.br


SUMÁRIO


Apresentação

"Por circunstâncias difíceis de explicar", como disse o acadêmico Ivan Lins [4], Basílio de Magalhães não pertenceu à Academia Brasileira de Letras (ABL), não obstante tivesse todos os méritos para isso, uma intensa vida política, cultural e literária e uma obra de reconhecido valor.

Abaixo um pequeno trecho dessa história.

Vamos lá.

Voltar


Basílio de Magalhães e as academias de letras

Basílio de Magalhães foi membro da Academia Paulistana de Letras, ocupando a cadeira 2, cujo patrono era o Visconde de São Leopoldo, da Academia Fluminense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), além de diversos outros institutos históricos estaduais. É também sócio honorário da Academia Mineira de Letras, patrono da cadeira 20 do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei e patrono da cadeira 7 da Academia de Letras de São João del-Rei.


Reprodução. Jornal do Comércio, 16, março, 1935 (bn.digital.gov.br)


Concorreu ao menos quatro vezes a uma cadeira na Academia Brasileira de Letras (ABL), sem, contudo lograr êxito. De fato, em 1936, concorreu mas foi vencido por João Neves da Fontoura, que tomou a cadeira 2 que pertencera a Coelho Neto.

Em 1937, na sucessão de Paulo Setúbal, concorreu à cadeira 31, que acabou ocupada por Cassiano Ricardo.

Em 1940, à vaga de Luís Guimarães, foi eleito o poeta Manuel Bandeira, com 21 votos; Basílio teve apenas 1 voto.

E em 1941, inscrevera seu nome à vaga de José de Alcântara Machado, mas injunções políticas fizeram os candidatos desistirem das candidaturas, e, então, como candidato único, Getúlio Vargas foi eleito. [1] [2] [3]

Assim foi que

Basílio de Magalhães, um dos maiores valores culturais do Brasil, (...) por circunstâncias difíceis de explicar, deixou de pertencer a esta casa [a Academia Brasileira de Letras - ABL ],

discursou certa vez Ivan Lins, escritor, membro da Academia, e também ilustre frequentador de nossa terra. [4]

Voltar


Bilhete ao acadêmico Rodolfo Garcia - 1935

 Rodolfo Garcia, da ABL

Reprodução. Fonte: bn.digital.gov.ve


Meu caro Garcia,

Afetuoso abraço,

Por absoluta falta de tempo, ainda não pude comunicar pessoalmente a você que já me inscrevi (creio que em primeiro lugar) no pleito da sucessão Coelho Neto. Antes de seguir para Lambary (o que farei a 20 do corrente mês), espero conversar com você sobre a minha nova candidatura, e também caro, peço desde já a você que vá cabalando a favor do meu nome os votos de alguns colegas seus, especialmente os de Ataufo [de Paiva], Gustavo Barroso, Victor Vianna e Fernando de Magalhães. Não se esqueça de recomendar-me também ao Múcio Leão e ao Miguel Osório de Almeida.

Basílio de Magalhães 12-XII-935

Voltar


Acadêmicos da ABL em Lambari

Nesse pequeno trecho são mencionados três acadêmicos da ABL, contemporâneos de Basílio de Magalhães — 

 Ivan Lins,

 Gustavo Barroso e

 João Neves da Fontoura

— curiosamente todos eles frequentadores de Lambari.

Voltar


Referências

[1] Neto, Lira. Getúlio (1930-1945): Do governo provisório à Ditadura do Estado Novo. Cia. das Letras, SP, 2013

[2] Costa, Nélson. Jubileus Acadêmicos [artigos]. Correio da Manhã, edições de 6, ago, 1961 e 20, dez, 1962

[3] Jornal do Comércio, edição de 31, ago, 1940. 

[4] Rodrigues, José Benedito. O retrato do velho médico. Belo Horizonte, O Lutador, 1993, págs. 114 e 115

- bn.digital.gov.br - Bilhete de Basílio de Magalhães a Rodolfo Garcia

- bn.digital.gov.br - Jornal do Comércio, 16, março, 1935

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 11/06/2019 às 08h17
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
09/06/2019 09h04
MEMÓRIAS DE AGUINHAS - Lambari na revista O CRUZEIRO

Ilustração: Capa do número 1 da revista CRUZEIRO. Reprodução. Fonte: Wikipedia


SUMÁRIO


Apresentação

O Cruzeiro (originalmente Cruzeiro) trata-se de uma revista semanal ilustrada brasileira, lançada no Rio de Janeiro, em 10 de novembro de 1928, editada pelos Diários Associados, de Assis Chateaubriand.  

Ela foi a principal revista ilustrada brasileira da primeira metade do século XX e estabeleceu uma nova linguagem na imprensa brasileira: inovações gráficas, publicação de grandes reportagens, ênfase ao fotojornalismo.

(Fonte: Wikipedia)

Editada durante sete décadas (dos anos 1920 aos 1980), seu acervo está disponível no site da Biblioteca Nacional.

Neste post, vamos trazer à memória reportagens de O Cruzeiro sobre nossa cidade.

Vamos lá.

Voltar


Inauguração do asfalto no Circuito das Águas

Em 1966, foi inaugurado o asfaltamento do Circuito das Águas, com a presença do Presidente da República (Castelo Branco) e do Governador de Minas Gerais (Israel Pinheiro), interligando as estâncias hidrominerais do Sul de Minas.

Com 100 km de extensão, a rodovia ligou Campanha, Cambuquira, Lambari, Caxambu, Conceição do Rio Verde e São Lourenço à Fernão Dias.

Reprodução. O Cruzeiro. Edição n. 1, de 1966. Texto de Ricardo Honório. Fotos de José Nicolau. Disponível aqui: http://memoria.bn.br/docreader/003581/154897 

Voltar


Turismo no Circuito das Águas

O número 2 de 1966 da revista O Cruzeiro traz reportagem sobre o Circuito das Águas, com textos e fotos de Lambari, Cambuquira, São Lourenço e Caxambu.

Reprodução. O Cruzeiro. Edição n. 2, de 1966. Texto de José Franco. Fotos de José Nicolau. Disponível aqui: http://memoria.bn.br/docreader/003581/154981

Voltar


A Seleção Brasileiro de 1966 em Lambari

Neste site GUIMAGUINHAS, na Série A Seleção em Aguinhas (aqui), há diversos posts, crônicas e fotos sobre a passagem da Seleção Brasileira de futebol por Lambari, em 1966.

Na edição do n. 31, de 6 de maio de 1966, com o título de Guerra pelo tri (45 brigam por 22), O Cruzeiro fez ampla reportagem sobre a estadia da seleção em Lambari.

Reprodução. Treino da seleção no campo do Águas Virtuosas. F.C. Ao fundo, o Farol do Lago. O Cruzeiro. Edição n. 31, de 1966. Texto de Luiz Alfredo. Disponível aqui: http://memoria.bn.br/DocReader/003581/157448 

Voltar


Ressurgem as águas milagrosas de Lambari

Na edição n. 45, de 1967, traz a revista O Cruzeiro uma reportagem sobre Lambari e suas águas minerais, ressaltando nossos passeios e a qualidade das águas virtuosas.

Reprodução. O Cruzeiro. Edição n. 45, de 196. Texto de Hugo-Vítor. Disponível aqui: http://memoria.bn.br/DocReader/003581/163368

Voltar


Referências

  • https://pt.wikipedia.org/wiki/O_Cruzeiro_(revista)
  • http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/
  • Revista O Cruzeiro. Edições citadas acima. Fonte: bndigital.bn.gov.br

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 09/06/2019 às 09h04
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
05/06/2019 09h48
LITERATURA DE AGUINHAS (27) - Basílio de Magalhães - um grande "causeur"

Ilustração: Conversação entre C. Drummond de Andrade e Pedro Nava. Estátuas de Léo Santana na Praça da Poesia. Belo Horizonte. Reprodução. Fonte: www.belohorizonte.mg.gov.br


SUMÁRIO


Apresentação

Já anotamos algumas passagens da vida de Basílio de Magalhães em Lambari, neste texto:

Recolhido a esta estância a qual "tanto amou e louvou", como bem disse um de seus netos (aqui), quase anônimo e esquecido, Basílio aqui conquistou alguns poucos amigos e admiradores, como: João Lisboa Júnior, Ural Prazeres, Dr. José Benedito Rodrigues, Aristides Moreira,  e bem assim alguns pares da literatura: Alaíde, Henriqueta, José Carlos e Ana Elisa Lisboa, Gustavo Barroso, Ivan Lins, Padre Lemos Barbosa, que lhe dedicaram textos [2] e obras. [3]


Carta de Basílio de Carvalho ao semanário Águas Virtuosas (Lambari, MG), 1953, na qual se refere aos "amigos e confrades", isto é, seus correlegionários políticos em Lambari: João Lisboa Júnior, Ural Prazeres e Aristides Moreira de Souza

Voltar


Um grande causeur*

"Conversador sem igual, cheio de vivacidade e erudição, Basílio de Magalhães era capaz de entreter durantes horas a fio os seus interlocutores. Dono de prodigiosa memória, levava consigo mesmo, onde quer que estivesse, completa biblioteca sobre todos os assuntos e, daí, a inexaurível facilidade com que contava saborosos casos sobre os mais diversos temas literários e científicos." [2]

(*) Conversador. Que ou aquele que possui conversa brilhante e extremamente bem articulada. 


Desse extraordinário talento de Basílio de Magalhães, contam-se algumas boas histórias, como estas reproduzidas pelo médico José Benedito Rodrigues [1]:

Priapismo

Fonte: Retrato do velho médico, p. 113

Hérnia

Fonte: Retrato do velho médico, p. 114

Tempo para achar marido

E esta outra passagem, que se deu com Stella Leonardos, poeta, escritora e teatróloga carioca, que fora sua aluna:

Fonte: A poetisa Stella Leonardos. Gilberto Trompovsky. Correio da Manhã, 18, ago, 1963 (bn.digital.gov.br)  [4]

Uma cena de Bernardo Guimarães

Na sua meticulosa biografia de Bernardo Guimarães, Basílio de Magalhães recolheu esta cena anedótica do grande escritor mineiro, que ele certamente contava nas suas tertúlias literárias:

Fonte: Do anedotário de Bernardo Guimarães. Jornal do Comércio, 14, set, 1961. (bn.digital.gov.br)  [5]

Voltar


Conversação em tupi

Conviveram em Lambari, MG, nos anos 1940/50, dois ilustres literatos e mestres de línguas indígenas do Brasil: Padre Antônio Lemos Barbosa e Basílio de Magalhães. Amantes da literatura e amigos, é certo, pois, que conversavam — e também em dialeto Tupi, que ambos dominavam.

De fato, eles deixaram diversas obras sobre os dialetos de nossos índios. 

Barbosa escreveu, entre outras obras (veja aqui), "a mais completa e perfeita gramática sobre a língua tupi", "um dos melhores livros didáticos daquela que foi a língua mais usada na costa do Brasil". [6]

Quanto a Magalhães, este conhecia vários dialetos dos nossos índios, como o tupi (nheengatu) e o guarani (abanheê), assim como o bororó e o mundurucu, havendo escrito sobre esta última tribo um trabalho ainda hoje inédito [1960], e tendo publicado na Revista do Instituto Histórico um Vocabulário da língua dos bororós coroados do Estado de Mato Grosso. [2] E fora também professor de tupi. [4]

Na bibliografia de Magalhães ainda estão:

  • Em defeza do indio e de sua propriedade (discursos pronunciados na Camara, pelo deputado Basilio de Magalhães). Rio de Janeiro, typ. do Jornal do commercio, de Rodrigues & C., 1924.
  • Em defesa dos Brasilíndios: conferência. Rio de Janeiro : [Verlag nicht ermittelbar], 1946.  [7]

Voltar


Referências

  • [1] Retrato do velho médico. José Benedito Rodrigues. Belo Horizonte, O Lutador, 1993
  • [2] Ivan Lins. Artigo: Basílio de Magalhães, publicado no Correio da Manhã, de 02/08/1960
  • [3] O Padre Antônio Lemos Barboso dedicou a Basílio de Magalhães sua obra mais conhecida e louvada: Curso de Tupi Antigo (Livraria São José, RJ, 1956)
  • [4] Fonte: A poetisa Stella Leonardos. Gilberto Trompovsky. Correio da Manhã, 18, ago, 1963 (bn.digital.gov.br)
  • [5] Fonte:Do anedotário de Bernardo Guimarães. Jornal do Comércio, 14, set, 1961. (bn.digital.gov.br)  
  • [6] Fonte: http://www.etnolinguistica.org/biblio:barbosa-1956-curso
  • [7] Fonte: https://www.worldcat.org/

 

Curso de Tupi Antigo. Antônio Lemos Barbosa (Livraria São José, RJ, 1956)

Reprodução. Site: www.etnolinguistica.org

Reprodução. Site: www.worldcat.org

Voltar


Veja também

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 05/06/2019 às 09h48
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
04/06/2019 16h37
MEMÓRIAS DE AGUINHAS - Exposição de fotos antigas de Lambari

Ilustração: Cartaz da exposição Bons e velhos tempos de Lambari, promovida pelo Vagão 98, em junho de 2019.


SUMÁRIO


Apresentação

A Fundação Cultural Estação 98, de Lambari, está promovendo a exposição Bons e velhos tempos de Lambari, com fotos antigas de Águas Virtuosas de Lambari, visando a preservar a memória e divulgar a formação histórica de nossa cidade.

Com a colaboração de Maria Inês Krauss/Reinaldo Reis, Ruth de Castro Campos, Luiz Fernando, e também do site GUIMAGUINHAS, que cederam fotos, postais, cromos e livros antigos, a exposição destacou aspectos da primitiva Vila de Águas Virtuosas, da captação das águas minerais (1905), da inauguração das obras de Américo Werneck (1911), de antigos postais de Lambari, pertencente à coleção do Sr. Antônio de Oliveira Campos (Toninho de Campos), bem como de famílias e personalidades pioneiras de nossa cidade.

Livros raros sobre a história de Lambari, e outros modernos com contos e relatos de nossa cidade também foram expostos.

O evento foi organizado pela equipe do Vagão 98, com a colaboração de Sandra Celli, antiga frequentadora da estância e amiga de Lambari.

A exposição ficará aberta ao público na espaço do café da Estação 98 durante todo o mês de junho. A entrada é franca.

Veja a seguir.


Voltar


Fotos

Algumas fotos do evento:

Personalidades e famílias pioneiras

Voltar


Coleção de postais da família de Antônio de Oliveira Campos

Voltar


Captação das águas e inauguração das obras de Werneck

Voltar


Coleção de postais e cromos coloridos do site GUIMAGUINHAS

Voltar


Livros sobre a história de Águas Virtuosas de Lambari

Voltar


Os livros expostos são os seguintes:

  • CHAVES, Benício. Água de Lambary. Lambary, MG : Pinto & Cia., 1932
  • BRASIL. Coleção Estado Novo n. 3. Município de Lambari. 1940
  • MARTINS, Armindo. Lambari – Cidade das Águas Virtuosas. 1ª. edição, 1949
  • CARROZZO, João. História Cronológica de Lambari. Piracicaba, SP : Shekinah Editora, 1ª. edição, 1988.
  • CARVALHO, Antônio C. Martins de. O Palácio Cassino de Lambari - Sonho. Segredo. Realidade. Três Corações, MG : Gráfica Veritas, 1991.
  • O Segredo do Águas Virtuosas Futebol Clube. LOR (Luiz Oswaldo Carneiro Rodrigues) - Belo Horizonte, Editora Lê
  • A Travessia de Antônio Norberto. Reinaldo Ribeiro Reis. Belo Horizonte, Graf. Assufemg, 2000

Referências


Voltar


Publicado por Guimaguinhas em 04/06/2019 às 16h37
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
01/06/2019 11h19
FUTEBOL NO SUL DE MINAS - Campeonatos da Liga de São Lourenço - 1951/53 - 2a. Parte

PANORAMA DO CAMPEONATO DA LDSL/1951


Ilustração: Propaganda do programa Rádio Esportivo U-3, apresentado por José Bacha e José di Lorenzo, na Rádio São Lourenço, no início dos anos 1950. Fonte: O Crack, 1951


SUMÁRIO


Apresentação

Informações e comentários sobre campeonatos regionais organizados pela Liga Desportiva de São Lourenço (LDSL), no início dos anos 1950, estão sendo revisitados nesta série do site GUIMAGUINHAS.

Na primeira parte, vimos este post:

Hoje veremos a segunda parte da série, com um PANORAMA DO CAMPEONATO DA LDSL de 1951 e dos times que o disputaram.

Vamos lá.

Voltar


Resumo do campeonato da LDSL de 1951

Após o encerramento do Campeonato de da LDSL de 1951, em edição especial, o semanário O Crack fez um resumo do campeonato com um perfil dos times participantes.

A síntese do que foi esse campeonato de 1951, o segundo organizado pela Liga de São Lourenço, vem a seguir:

Reprodução. Jornal O Crack, 1951

Voltar


Ubiratan Futebol Clube - Silvestre Ferraz - Campeão de 1951

Na foto: Julino, Bacelar, João do Brás, Didi, Renato, José Fernando, Jota. Agachados: Pinelinho, Luís Carmelino, Pinelão, Jairo e Passo Quatro. 


Reprodução. http://folhanova.com.br/

Da foto acima, Pinellinho e Pinellão atuaram também pelo Águas Virtuosas e Esporte Clube São Lourenço


Esporte Clube São Lourenço - Vice-campeão

Na foto: Jahi, Velho, Lita, Rui, João, Paulino. Agachados: Afonso, Hélio, Henrique, Enéas e Araújo.

Henrique (agachado, no meio da foto) foi o artilheiro do campeonato.


Reprodução. Jornal O Crack, 1951

Voltar


Industrial Esporte Clube - Itanhandu

Por essa época, o Industrial já formava grandes times.

Reprodução. Jornal O Crack, 1951

Voltar


Virgínia Futebol Clube - Virgínia

Reprodução. Jornal O Crack, 1951

Voltar


Baependi Futebol Clube - Baependi

Nesse time de 1951, brilhava o grande craque Tek, que ainda jogaria por muitos anos em times de Baependi, especialmente no Botafogo.

Nos campeonatos da Liga de Caxambu, no início dos anos 1970, Lambari participou com o time da G.R. ABI, clube pelo qual o autor deste site também jogou.

E o velho Tek ainda atuava, com destaque...

Nesse ponto, lembro-me de um incidente por que passamos num jogo entre G.R. ABI e Botafogo, em Baependi, no início dos anos 1980, envolvendo o atleta Tek.

Numa cobrança de falta, a bola chutada por Tek — que tinha uma bomba no pé esquerdo — atingiu a boca do estômago do atleta Zé Paulo, conhecido como Vaca (na foto abaixo, o terceiro em pé, da esquerda para a direita), que caiu,  parou de respirar e perdeu a consciência.

Naquele tempo não havia médicos nem ambulância/paramédicos nos jogos de futebol. E foi o mesmo experiente Tek quem o socorreu: afastou as pessoas, acomodou sua cabeça, aplicou respiração boca a boca, fazendo lentamente retornar a respiração e os sentidos.

Hoje, a lembrança dessa passagem causa um certo arrepio e um agradecimento silencioso ao velho Tek (por onde andará ele?).

Zé Paulo (Vaca) faleceu, ainda jovem, em 2015.

GRABI x Botafogo Baependi (1973). Edson, Tinz, Vaca, Guima, Celinho e Delém. Agachados: Roberto, Xepinha, Chiquinho Barletta, Tatá e Sérgio


Reprodução. Jornal O Crack, 1951

Voltar


Miramar Esporte Clube - São Lourenço

Reprodução. Jornal O Crack, 1951

Voltar


Esporte Clube Itamonte - Itamonte

Reprodução. Jornal O Crack, 1951

Voltar


América Futebol Clube - Pouso Alto

O América levou o título de campeão da disciplina.

Reprodução. Jornal O Crack, 1951

Voltar


Federal Futebol Clube - São Lourenço - 8o. colocado

Reprodução. Jornal O Crack, 1951

Voltar


Referências

  • Jornal O Crack - São Lourenço, MG - Edições citadas acima (Acervo pessoal de Crisóstomo Fernandes)
  • Agradecemos a Pedro Silva (Pedro Guela) a cessão do semanário O Crack.
  • Acervo pessoal do autor.

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 01/06/2019 às 11h19
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 79 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]

Espaço Francisco de Paula Vítor (Padre Vítor)

 

Aprendizado Espírita Net

 

 

As Águas Virtuosas de Lambari e a devoção a N... R$1,00
Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: