Guimagüinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
11/08/2019 08h26
ÁGUAS VIRTUOSAS FUTEBOL CLUBE (74) - Vídeos do bicampeonato (1987)

Ilustração: Montagem. Escudo do Águas Virtuosas e bandeira do Cruzeiro, de Pouso Alto, sobrepostos ao logo do SPT (Sistema Pousoaltense de Televisão)


SUMÁRIO


Apresentação

O Campeonato da Liga de São Lourenço de 1987 foi decidido entre o Águas Virtuosas e o Cruzeiro, de Pouso Alto, como sabemos.

Abaixo vai um resumo dessa final e alguns vídeos que ilustram partidas memoráveis entre essas duas equipes.

Confiram.

Voltar


O bicampeonato

Dos quatro campeonatos da Liga de São Lourenço que o Águas Virtuosas Futebol Clube conquistou nos anos 1980/90, a decisão do bicampeonato  — contra o time do Cruzeiro, de Pouso Alto — foi a mais sensacional, visto que ocorreram 4 partidas para chegar-se ao campeão.

Confira os resultados:

  • 1°. dez 1987 - em Pouso Alto - 2 a 2
  • 8 dez 1987 - em Lambari - 1 x 1
  • 15 dez 1987  - em São Lourenço - 1 x 1
  • 22 dez 1987 - em São Lourenço - Águas 2 x 0

Pois bem, essa campanha está resumida neste post:

Agora, vídeos de partidas entre essas equipes estão disponíveis no YouTube, como se pode conferir abaixo. 

Voltar


Vídeos

No YouTube, canal Histórias de Futebol e outras

Estão estes vídeos:

   Aqui

2 x 0 - Jogo em São Lourenço, em dezembro de 1987

   Aqui

1 x 1 - Jogo em Pouso Alto, em junho de 1987

  Aqui

1 x 1 - Jogo em Lambari em dezembro de 1987

Voltar


Referências

  • Facebook/Cruzeiro de Pouso Alto - aqui
  • SPT - Sistema Pousoaltense de Televisão - SPT
  • Canal Youtube - Histórias de Futebol e outras
  • Série Time do Águas Virtuosas - site Guimaguinhas
  •  Time do Águas Virtuosas

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 11/08/2019 às 08h26
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
30/07/2019 07h14
RECANTO DOS NETOS (3) A Casa Gorda e o Coitado do Lobo Mau

Ilustração: Placa indicativa da CASA GORDA - homenagem aos nossos filhos, noras e netos


SUMÁRIO


Apresentação

Como dissemos em post anterior, eu e Celeste tivemos quatro filhos — todos homens — e uma filha de criação. Eles nos deram muitos netos. 

Dois homens (Léo e Rafa) e duas mulheres (Maria Elisa e Isabela). Aqueles estão completando 14 anos (julho), e as meninas estão com 9 e 8 anos (são de julho e agosto). 

Mas chegaram outros... Em outubro de 2015, chegou o Paulo Emílio, em junho de 2016, a Rafaela, e em outubro de 2019 estará chegando a Cecília...


  • Vejam estes posts:

Pois bem, hoje, em homenagem aos aniversariantes de junho, julho e agosto, vamos contar a história da Casa Gorda e a Coitado do Lobo Mau.

Vamos lá.

Voltar


A Casa Gorda

Morando em Brasília, Leo e Rafa sempre passam as férias de julho em Lambari, alternando a estadia entre as casas dos avós maternos — Alencar e Beatriz — e paternos — eu e Celeste.

Pois bem, eles deviam ter pouco mais de 3 anos, e estavam na casa dos avós maternos há alguns dias, quando disseram pra sua mãe, Flávia:

— Mããeee, a gente quer ir pra outra casa!

— Outra casa? Que casa, meninos?

— A outra...

— Que outra?...

— Aquela outra...

— A casa da vó Celeste? — Flávia perguntou.

— É... a casa... a casa... a casa gorda! Eles disseram.

No caso, a casa era "gorda", porque era maior do que a da vó Bia (Beatriz).

E assim foi que batizamos a nossa casa, que é mais dos netos do que nossa, de

 

Voltar


Celeste, netas e neto, no Alto do Cruzeiro

Rafael e Leonardo, em Brasília

Rafaela e Paulo Emílio, em Brasília


Coitado do Lobo Mau!

Isabela foi quem escolheu o nome da irmãzinha que iria nascer... E quis que rimasse!

Daí veio a Rafaela — uma menininha esperta e... mandona! E que demorou a falar, mas hoje, três anos completados, fala pelos cotovelos!

Pois bem, vejam o que essa menina aprontou com o pobre do Lobo Mau:

Nesse último dia das mães, fomos almoçar no Restaurante do Gerardo, em Nova Baden. Estavam presentes os pais e avós de Rafaela e Isabela, e logo terminou o almoço saí para dar um passeio com as meninas, e fomos por uma estradinha em direção ao Horto Florestal.

E fui conversando e lhes mostrando as árvores, o ribeirão, a mata, os pássaros, os insetos. Já estávamos distante do restaurante, quando Rafaela insistiu que entrássemos numa pequena mata que havia a beira da estrada. E eu fiz o que todo avô faz numa hora dessas, e disse:

— Aí não, minha filha! Aí mora o Lobo Mau!

E ela me respondeu na lata:

— Num tem perigo não, vovô! Eu sou amiga do Lobo Mau!

— Amiga?! perguntei intrigado.

— Sim. Eu disse pra ele: — Cê num vai mais comer a vó Celeste, nem vó Mara, nem vô Guimão, nem vô Paulão, nem minha irmã, viu?

É..., filha...??? — eu disse. — E o que o Lobo Mau respondeu? — perguntei.

Tá bããaoooo!!!... Ela disse num bom elevado, bravo e conformado...

De volta a casa, contei a história pro restante da família e tornei a perguntar à Rafaela o que o Lobo Mau dissera, esperando que ela confirmasse a história: 

E o que o Lobo Mau respondeu, Rafa?

E ela tornou do mesmo modo, mas com as seguintes palavras:

 Pôooxaaa!!!...

Pobre Lobo Mau, já não te respeitam mais!


Olhem só a cara do lobo: — Pobre Lobo Mau, já não te respeitam mais!

Reprodução. Fonte: Biblioteca Mario de Andrade expõe obras infantis raras.

Revista Exame.28/05/2019. Disponível aqui

Voltar


Referências

Estas e outras histórias estão no segundo livro que Celeste Krauss está escrevendo sobre os netos.

Como se recorda, ela já escreveu

que pode ser baixado gratuitamente neste link:

https://rl.art.br/arquivos/4273942.pdf?1402659908


 


Publicado por Guimaguinhas em 30/07/2019 às 07h14
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
14/07/2019 08h03
ÁGUAS VIRTUOSAS FUTEBOL CLUBE (73) - Os uniformes do Águas Virtuosas (2)

Ilustração: José Batista (Jô) com a terceira camisa do Águas Virtuosas, ao lado da filha Isabela (filho e neta deste autor).


SUMÁRIO


Apresentação

No número 1 desta Série Os uniformes do Águas Virtuosas (aqui), escrevemos que

No ato de fundação do Águas Virtuosas, em 26 de agosto de 1926, o artigo 61 estabeleceu o vermelho e o branco como as cores do clube, e bem assim o modelo da flâmula: toda vermelha, tendo ao centro uma bola branca, com as letras A V entrelaçadas.

Art. 61 do Estatuto de agosto de 1926

O time de futebol do Águas Virtuosas há alguns anos está fora de atividade, mas esse triste fato não arrefeceu o amor da torcida lambariense pelo seu clube nem apagou da memória os feitos dos grandes times do Águas Virtuosas.

E um claro exemplo disso é a procura dos torcedores pela camisa vermelha e branca do seu time do coração.

É sobre isso que falaremos a seguir.

Voltar


Conheça o hino do A.V.F.C. - aqui

Voltar


A gloriosa camisa do Águas Virtuosas

Tempos atrás, mandamos confeccionar o escudo do Águas Virtuosas Futebol Clube (AVFC), neste modelo:

A seguir, escolhemos uma camisa de futebol vermelha com detalhes brancos e nela inscrevemos nome e número às costas, e colamos o glorioso escudo do lado esquerdo do peito, deste modo:


Voltar


Outros modelos de camisas do Águas Virtuosas


Família Guimarães uniformizada (filhos e netos deste autor: Alan, Guiminha, Carlo,  Leo e Rafa) com a camisa do A.V.F.C., em Orlando (EUA)

Voltar


Como montei a camisa do Águas Virtuosas

Como dissemos, adquirimos camisas com  as cores do Águas Virtuosas (vermelha, vermelha com detalhes brancos, branca e cinza com detalhes vermelhos e/ou brancos), e mandamos confeccionar o escudo do clube.

A confecção do escudo encomendamos pela internet, e assim também a camisa, que  já veio com número e nome impressos

As camisas de marcas mais conhecidas são: Adidas, Umbro, Nike, etc.

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 14/07/2019 às 08h03
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
04/07/2019 06h56
LITERATURA DE AGUINHAS - Aspectos da vida e morte de Basílio de Magalhães em Lambari

Ilustração: Inscrição sobre a tampa do túmulo de Basílio de Magalhães. Cemitério Municipal de Lambari, MG.


SUMÁRIO


Apresentação

Sobre Basílio de Magalhães (1º/06/1874 - 14/12/1957), o grande jornalista, escritor e historiador, autor de vasta obra de literatura, folclore, política, história, que morou em Lambari nos últimos anos de sua vida, já escrevemos os seguintes posts:

Hoje vamos comentar alguns aspectos de sua passagem por nossa cidade, nos anos 1940/50, e seu falecimento e sepultamento aqui ocorrido em 1957.

Vamos lá.


Basílio de Magalhães em Lambari

Como sabemos, Basílio de Magalhães, durante muitos anos, fez estações de águas em Lambari, depois passou a residir entre nós, numa modesta casa no centro da cidade. E aqui viveu o resto de seus dias, tendo sido também enterrado nesta estância hidromineral.

No discurso que pronunciou por ocasião de seu sepultamento, o médico José Benedito Rodrigues assim se expressou [1]:

Quando chegava a época de vir para cá, portava-se como estudante interno às vésperas das das férias de Natal. Aqui conviveu por alguns anos, fazendo grandes amizades. Com seu boné cinza metido quase até às orelhas e óculos quase pregados às páginas do Estado de São Paulo, era assim que quase sempre o víamos na Farmácia do Mário Santoro, ou com este palestrando, e, nos últimos anos, estendido em sua cadeira no alpendre de sua casa, aprofundado em leituras ou divagações filosóficas.

Vista da Rua São Paulo, onde residia, na casa n° 217, Basílio de Magalhães. Lambari, MG, 1955. Reprodução. Frame do filme sobre o Congresso Eucarístico


Porta da farmácia São José, que pertenceu a Mário Santoro, onde Basílio de Magalhães palestrava


Após sua morte, sua casa em Lambari foi posta à venda. Reprodução. Jornal do Comércio, Edição de 25, agosto, 1959


Comentário postado no Facebook do site GUIMAGUINHAS, relativamente ao post Basílio de Magalhães - um grande "causeur". 

O farmacêutico Mário (Santoro) e a professora Maria Rita (Lisboa Pereira Santoro) eram vizinhos de Basílio de Magalhães, e sua sobrinha Delmira foi criada pela casal.

Voltar


Registramos cenas de sua passagem entre nós nestes posts:

Voltar


O jazigo de Basílio de Magalhães em Lambari

Basílio de Magalhães faleceu longe de seus familiares e foi assistido pelos poucos — mas grandes amigos que conquistou. Foi enterrado no Cemitério Municipal de Lambari, em cumprimento da vontade que externara. No ato do sepultamento, orou seu médico e admirador, Dr. José Benedito Rodrigues, que assim concluiu sua fala:

Antes de se lhe extinguir a vida, entrou em estado de coma (...) pela madrugada, faleceu da maneira mais modesta possível, cercado de poucos amigos. Seu sepultamento foi comum, sendo que, à beira da sepultura quatro vozes entrecortadas de emoção se fizeram ouvir, escoltando sua trajetória cultural e científica, lastimando, como homens cultos, o desaparecimento de uma figura de alta linhagem intelectual de Basílio de Magalhães. [2]


Jazigo de Basílio de Magalhães, que foi revestido por pedras trazidas de S. João Del Rey, onde nascera. Reprodução. Fonte: Carrozzo, 1985 [2]


 

Túmulo de Basílio de Magalhães - Lambari, MG - Junho/2019

Voltar


Referências

  • [1] Jornal do Comércio, Edição de 11, janeiro, 1959 (bn.digital.gov.br)
  • [2] Carrozzo, João. Lambari, outrora Cidade de Águas Virtuosas de Campanha. Piracicaba, SP, Shedinah Editora, 1985, págs. 42/43
  • Jornais mencionados no texto. Fonte: bn.digital.gov.br
  • Museu Américo Werneck - Lambari, MG
  • Acervo do autor.

Voltar


Publicado por Guimaguinhas em 04/07/2019 às 06h56
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
01/07/2019 13h12
LITERATURA DE AGUINHAS - As obras de Basílio de Magalhães

Ilustração: Montagem. Capa de antigos livros de Basílio de Magalhães


SUMÁRIO


Apresentação

Eu mal havia transposto os 13 anos [1887], quando busquei conciliar os estudos de humanidades com o ganha-pão, e o conhecimento da arte tipográfica abriu-me emprego no primeiro órgão republicano (...)

Basílio de Magalhães. Conferência no IGH de São Paulo, 1914 (SOUZA JÚNIOR, 2015)

.............................................

Aos quinze anos [Basílio de Magalhães) já era poeta, professor e jornalista.

Ivan Lins. Basílio de Magalhães. Correio da Manhã, 2/8/1960


De cultura polimórfica, Basílio de Magalhães participou com brilho nas áreas de educação, política, administração pública, historiografia e literatura.

Nas décadas de 1910/20/30,  à frente do seu tempo, ele atuou em favor das terras, da cultura e da língua dos indígenas, propugnou pelo direito das mulheres, combateu o preconceito contra a educação e o tratamento das crianças "mentalmente atrasadas" (como então eram designadas as crianças especiais) — temas que, 100 anos depois, ainda estão na agenda dos brasileiros.

Vamos comentar abaixo alguns aspectos de suas obras e vida literária.

Vamos lá.

Voltar


A obra de Basílio de Carvalho

Exemplo acabado do self made man, tudo quanto foi na vida deveu-o ao seu próprio esforço. Viveu e morreu pobre, subsistindo tão-só do que percebia como professor e autor de tantos livros de mérito, refertos de seguros e variados ensinamentos.

Ivan Lins. Basílio de Magalhães. Correio da Manhã. 2/8/1960


Autor, tradutor, revisor

Além de traduzir, rever e anotar trabalhos alheios, notáveis foram os livros que de sua lavra publicou, destacando-se entre muitos outros, os seguintes:  [1]

  • Lições de História do Brasil
  • História da Civilização
  • Lições de Geografia Geral
  • Tratamento e Educação de Crianças Anormais da Inteligência (este trabalho reveste-se de grande importância e interesse por ser a primeira obra publicada sobre o assunto no Brasil, tendo merecido elogiosas referências de cientistas belgas e holandeses)
  • Expansão Geográfica do Brasil Colonial, a primeira obra de conjunto aparecida sobre as bandeiras
  • A Renascença e a Floração Artística
  • Bernardo Guimarães
  • O Folklore no Brasil
  • História do Comércio
  • O Café na História, no Folklore e nas Belas Letras

Voltar


Revisões, anotações, introduções

Aqui podem ser citados:

  • Memórias de D. Frei João de São José Queiroz, com introdução de Camilo Castelo Branco e prefácio de Basílio de Magalhães - Editora Melso
  • História antiga de Minas Gerais, Diogo Luís de Almeida Pereira Vasconcelos, com introdução de Basílio de Magalhães, 2 vols., Biblioteca popular brasileira
  • História das bandeiras paulistanas, de Afonso de Taunay, anotada por Basílio de Magalhães
  • De Dom João VI à Independência. João Romeiro. Prefácio de Basílio de Magalhães
  • Do homem americano. Júlio Trajano de Moura. Prefácio de Basílio de Magalhães
  • História do povo brasileiro, Luiz Pinto, com prefácio de Basílio de Magalhães, Editora Ouvidor (CM, 7, set, 1963)
  • Viagem pelo Brasil, Joh. Bapt. von Spix e Carl Friedr. Martius. Phil. traduzida por Lúcia Furquim Lahmeyer, anotada por Basilio de Magalhães, Rio de Janeiro 1938
  • Efemérides brasileiras. Barão do Rio Branco.Atualização e anotações por Basílio de Magalhães
  • A circular. Teófilo Otoni. Apresentação de Basílio de Magalhães
  • Villegagnon - Co-autor

Fonte: https://www.worldcat.org/


Traduções 

Poliglota, além de vernáculo, em que era mestre consumado, e do latim, grego, espanhol, francês, italiano, inglês e alemão, conhecia ainda noções de árabe, holandês, sueco, húngaro e romeno e conhecia vários dialetos dos nossos índios. [1]

Entre as traduções que realizou, podem ser citadas:

  • Bosambo, de Edgar Wallace, literatura inglesa, Ed. Civilização Brasileira
  • Viagem na América Meridional. Ch. M. de La Condamine (com Cândido Jucá Filho). Editora Pan-Americana, 1944


Poesias

O professor Alfredo Balthazar da Silveira, na palestra de abertura do ano letivo de 1960 do Instituto de Educação do Rio de Janeiro, evocando a figura de Basílio de Magalhães, que ali fora professor catedrático de História Geral e do Brasil, disse:

Poeta inspirado e tradutor excelente de Joseph Marie de Heredia [José Maria de Herédia, poeta cubano - (1842-1905)] e de Lorenzo de Stecchetti [pseudônimo de Olindo Guerrini], sabia estabelecer as verdadeiras diferenças entre o bardo, enternecido por emoções diversas, que alegram, entristecem, entusiasmam, e o historiógrafo, cuja tarefa nobilitante é a de reconstruir o passado, dentro da mais rigorosa veracidade. [2]

 


Basilio Magalhães, em 1899, editou Iris, coletânea de poesias, muitas inéditas e outras  já publicadas em revistas e jornais.  [3]

A Escola [poema de Basílio de Magalhães]

A Escola é o foco de onde a luz radia,

A luz, que aclara os tempos e as nações;

Ora é luz que descanta, é cotovia;

Ora é centelha de revoluções!

Por onde é que o soldado balbucia

O nome Pátria, que enche os corações?

Onde é que nasce o Amor?

Onde a Poesia? Onde a mais santa das aspirações?

Na Escola irrompe, em solidário afeto,

O altruístico e elevado sentimento,

Graças ao fogo de paixão repleto,

Das lavas do vulcão do entendimento:

— "É que há mais luz nas letras do alfabeto

Que nas constelações do firmamento!"


Fonte: https://osecularsoneto.blogspot.com

Voltar


Aventuras de Tarzan

No texto O último heroi, registra Paulo de Medeiros e Albuquerque (Jornal do Comércio, RJ, edição 267, 1969) que a série das aventuras de Tarzan, de Edgar Rice Burroughs, ganhou, no Brasil, traduções de nossos melhores escritores: Medeiros e Albuquerque, Azevedo Amaral, Paulo de Freitas, Godofredo Rangel [este natural de Três Corações, MG], Manuel Bandeira, Monteiro Lobato, e entre esses está Basílio de Magalhães, que traduziu Tarzan, o destemido (Tarzan, The Untamed) e Tarzan e o Império Perdido (Tarzan and the Lost Empire).


 

Reprodução. Fonte: www.antonioferreira.lel.br

Voltar


Obras de história

Na página eletrônica do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), no perfil do sócio Basílio de Magalhães, consta o seguinte:

É autor de obra vastíssima nas áreas da literatura, do folclore, da política e da história, principalmente. Nas áreas de particular interesse do IHGB, destacam-se trabalhos de alto merecimento, entre os quais:

  • A Circular de Teófilo Ottoni, RJ, 1916 
  • Lições de História do Brasil, 1895
  • O Café na História, no Folclore e nas Belas Artes, SP, 1939
  • Expansão geográfica do Brasil colonial, SP (Col. Brasiliana, 1935, talvez sua obra maior)
  • O Folclore no Brasil, 1928
  • História da Civilização – História do Comércio – Esboço biográfico e crítico de Bernardo Guimarães, RJ, 1926
  • O suplício de Caneca e a revolução pernambucana, 1896 – Os Jornalistas da Independência, RJ, 1917
  • Manuel Araújo Porto Alegre, Barão de Santo Ângelo, RJ, 1917
  • Quadro de História Pátria, RJ, 1918 –
  • O municipalismo e Minas Gerais, S. João del Rei, 1924 –
  • Em defesa do índio e da sua propriedade, RJ, 1924
  • Francisco Adolfo de Varnhagen, Visconde de Porto Seguro, RJ, 1928
  • O Aleijadinho: Antônio Francisco Lisboa, RJ, 1930, além de vários compêndios para o ensino secundário. [4]

Voltar


Coronelismo, enxada e voto

Coronelismo, enxada e voto, do mineiro de Carangola Victor Nunes Leal, jurista, professor e Ministro do STF, cuja biblioteca leva o seu nome, constitui um clássico de nossas letras político-sociais.

Escrito em 1949, fruto da tese de doutorado de Nunes Leal (o título original era: O Município e o Regime Representativo no Brasil – Contribuição ao Coronelismo), trata-se de uma análise profunda da realidade sócio-política brasileira do final do Século XIX/início do Século XX, quando a estrutura agrária era a base do poder político local e a dura mão dos coronéis garantia a manutenção da elitista ordem ideológica, econômica e política, regime esse que interessava a prefeitos, governadores e presidentes.

Nesse livro, Victor Leal incluiu longa nota de Basílio de Magalhães, um estudioso do municipalismo, sobre as origens do termo coronelismo. De fato, diz Barbosa Lima Sobrinho, no prefácio que escreveu para a segunda edição:

Coronelismo, enxada e voto, de Victor Nunes Leal, foi publicado em 1949, sem indicação do editor, sob a responsabilidade da Revista Forense, que figurava como impressora. Trazia, como primeira nota, uma contribuição preciosa do notável historiador que era Basílio de Magalhães, o qual, tendo casa em Lambari e militando na política de Minas Gerais, conhecera de perto a influência e o poder dos “coronéis” . 

Voltar


Viagens pelo Amazonas e Rio Negro (Alfred Russel Wallace)

O livro Viagens pelo Amazonas e Rio Negro, do famoso naturalista Alfred Russell Wallace (reconhecido como coautor, juntamente com Darwin, dos princípios que levaram à Teoria da Evolução das Espécies), foi prefaciado, anotado e revisto por Basílio de Magalhães.

Publicado pela primeira vez em Londres em 1853, o relato da viagem de quatro anos (1848-1852) do cientista inglês pela Amazônia constitui um valioso estudo sobre o clima, a geologia, a biologia e os indígenas da região, incluindo aspectos sociais e costumes locais. Essa expedição ao Brasil foi a primeira de uma série de viagens e pesquisas de Wallace (1823-1913) que serviram de base para a formulação, em paralelo com Darwin, dos princípios da seleção natural e do evolucionismo. 

O texto integral desse livro, a erudita apresentação de Basílio de Magalhães e suas admiráveis notas podem ser vistos aqui:

http://www.brasiliana.com.br/obras/viagem-pelo-amazonas-e-rio-negro


Lista geral de livros de Basílio de Magalhães

O site https://www.worldcat.org lista diversos livros da autoria de Basílio de Carvalho. 

Confira a página n. 1 da lista:

Fonte: https://www.worldcat.org/search?q=au%3AMagalha%CC%83es%2C+Basi%CC%81lio+de%2C&qt=hot_author

Voltar


Estudo sobre o folclore brasileiro, feito com erudição e farta bibliografia. Análise dos livros sobre o assunto publicados até 1928, data da edição da obra de Basílio de Magalhães. O autor examina manifestações populares segundo conceitos bem sintonizados com a pesquisa europeia realizada à época. Contém ainda oitenta e um contos populares recolhidos por João da Silva Campos.

À venda na livraria do Senado Federal:

https://livraria.senado.leg.br/index.php?_route_=o-folclore-no-brasil-vol-253


Biobibliografia de Basílio de Magalhães

Veja também este texto:

Voltar


Basílio de Magalhães e os direitos da mulher

 Nos anos 1920, quando deputado por Minas Gerais, Basílio fez discursos e conferências sobre os direitos da mulher: voto, participação política, papel social. Quanto ao direito de votar, apresentou o Projeto de Lei 247/1924 para que fosse também estendido às mulheres.

A conquista do voto das mulheres no Brasil, no entanto, veio se dar anos depois, em 1934, com o Código Eleitoral Provisório (Decreto 21.076, de 24/2/1932).

Esses textos de Basílio de Magalhães, hoje clássicos, constam da bibliografia do Dicionário mulheres do Brasil.

Fonte: Dicionário mulheres do Brasil: De 1500 até a atualidade - Biográfico e ilustrado. Maria Aparecida Schumaher. Zahar, RJ, 2000. Reprodução. GoogleBooks

Voltar


Basílio de Magalhães e os índios brasileiros

Além dos dialetos dos nossos índios que dominava (nheengatu (tupi) abanhaê (guarani), bororó, mundurucu), dos contos indígenas que recolheu, do vocabulário de mundurucu que publicou [1], Basílio de Magalhães foi também professor de tupi e defensor de causas indígenas. Ao lado de Luiz Horta Barbosa e Erasmo Braga defendeu o direito dos silvícolas, tendo redigido o Manifesto pela criação do Serviço de Proteção aos Índios[3]

Fonte: https://www.worldcat.org/

Disponível em: http://www.etnolinguistica.org/bib:0510

Voltar


Basílio de Magalhães e conhecimentos médicos e pedagógicos

Basílio de Carvalho foi um dos primeiros autores a escrever sobre a educação e o tratamento das crianças "anormais da inteligência", expressão que então se usava, ressaltando, no entanto, que nos Estados Unidos ela já fora abolida, substituída por atypical children ou excepcional children. Considerou essa última expressão "muito feliz, porquanto o 'atraso mental constitui exceção e não regra'" [5]

Sobre esse tema escreveu:

1) Tratamento e Educação das Crianças Anormaes de Inteligência: contribuição para o estudo desse complexo problema científico e social, cuja solução urgentemente reclamam - a bem da infância de agora e das gerações porvindouras - os mais elevados interesses materiais, intelectuais e morais da Pátria Brasileira, editado primeiramente sob forma de artigos no Jornal do Comércio, do Rio de Janeiro, posteriormente ampliado e também editado pela Tipografia do mesmo periódico, Rio de Janeiro, 196 p. (1913); e 
 

2) A Educação da Infância Normal e das Crianças Mentalmente Atrasadas, na América Latina: apreciação sumária dos modernos sistemas pedagógicos europeus e modificações indispensáveis que devam sofrer no ambiente físico-social do novo mundo. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 24 p. (1917)

Fonte: http://saojoaodel-rei.blogspot.com/2019/03/biobibliografia-de-basilio-de-magalhaes.html


Biblioteca virtual de Basílio de Magalhães

Abaixo, algumas obras de Basílio de Magalhães disponíveis em bibliotecas virtuais:

 

http://www.brasiliana.com.br/brasiliana/colecao/obras/239/expansao-geografica-do-brasil-colonial

http://www.brasiliana.com.br/brasiliana/colecao/obras/190/o-cafe-na-historia-no-folclore-e-nas-belas-artes

http://www.brasiliana.com.br/brasiliana/colecao/obras/205/estudos-de-historia-do-brasil

https://digital.bbm.usp.br/bitstream/bbm/3148/1/45000017035_Output.o.pdf

 


Referências

  • [1] Lins, Ivan. Basílio de Magalhães [artigo]. Correio da Manhã, edição de 2, ago, 1960.
  • [2] Silveira, Alfredo Balthazar da. O mestre Basílio de Magalhães. Correio da Manhã, 26, mar, 1960.
  • [3] Gobbo, Antonio Roque. Basílio de Magalhães. Disponível em: https://www.recantodasletras.com.br/contos/4784677
  • [4] Perfil de Basílio de Magalhães. Site do IBGH. Disponível aqui: https://ihgb.org.br/perfil/userprofile/bdemagalhaes.html
  • [5] Jannnzzi, Gilberta de Martino. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do Século XXI. Campinas, SP, Autores Associados, 2017 (GoogleBooks)

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 01/07/2019 às 13h12
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 81 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]

Espaço Francisco de Paula Vítor (Padre Vítor)

 

Aprendizado Espírita Net

 

 

As Águas Virtuosas de Lambari e a devoção a N... R$1,00
Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: