Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
02/05/2013 07h15
ABI - A indústria e o time de futebol - Índice da Série ABI

ABI - A indústria e o time de futebol

SUMÁRIO


Apresentação

Este post sobre a ABI - A indústria e o time de futebol inicia a Série ABI, cujo índice vai ao pé desta página, neste link.


Aprendiz de "farmaceiro"

Já contei no Menino-Serelepe a fase de minha vida em que, trabalhando na Farmácia Santo Antônio, meu pai me pôs para aprender contabilidade. Eis o texto:

Mas em razão do grande receio que o pai tinha de que eu virasse farmaceiro, mistura de caixeiro e aprendiz de farmacêutico, ele me fez prometer que ia largar de mão de querer seguir aquele seu ofício. E aí, por conta disso, ele me fez aprender datilografia e tomar lições com a guarda-livros, a dona Zaínha, que escriturava os livros da contabilidade da farmácia, pois que era um futuro de diploma na mão que ele sonhava pra mim. E eu toda tarde ficava lá no escritório arquivando notas, manuseando os livros e martelando, aessedefegando çelekajothando a bem cuidada Remington portátil que era o luxo da dona Zaínha. E assustado com a tal da contabilidade, pois quando dona Zaínha me explicou aquele aranhol todo, que me chocou os ouvidos e confundiu os miolos, não entendi patavina. Mas devagar fui tomando gosto pela arte e foi nessa profissão que me formei. E quando isso se deu, as costaneiras, os diversos a diveros, a letra bordada a caneta tinteiro, o mata-borrão aquelas antigalhas do tempo da dona Zainha, e até mesmo a calculadora Facit, uma engronga movida a manivelas, já haviam saído de moda, mas não as partidas dobradas — ou inversas — que essas são fundamentos do método contábil.


No escritório da ABI

Pois bem, foi esse aprendizado que me levou a ser selecionado, em 1970, para trabalhar no escritório das Indústrias ABI. Esse foi meu primeiro contrato de trabalho - e o único na antiga CTPS. Depois, fui profissional liberal e servidor público. Hoje estou aposentado.

No ano seguinte, retornei à farmácia, pois queria jogar no time do Vasquinho que então se formara, e o trabalho no escritório da ABI não me permitia treinar com regularidade. Responsável pelo faturamento, que então era intenso, muitas vezes não tinha hora pra sair... E quem não treinava, não jogava...

 Na Fábrica ABI, quem passou pelo faturamento - Eu, Edísio, Aluísio, Silvinho, Celinho Machado e outros mais, me parece que o Hélcio também - sabe bem quanto era duro aquele trabalho de datilografar na velha Remigton notas fiscais, em 6 vias, com papel carbono roxo dupla-face... E além disso, copiar a primeira via no livro de papel de seda, escriturar o livro de saídas, escriturar o registro de duplicas, atender telefone (na minha época, não havia telefonista, e o aparelho ficava ao lado da mesa do faturista). E, às seis da tarde, na hora de sair, quase todo dia vinha o Waldir Arantes, todo jeitoso, com a mão cheia de pedidos:  - Guima, só mais esses, que os caminhões estão esperando as notas pra sair ainda hoje!... Grande Waldir, gente boa, Deus o tenha!

Mas passei pouco tempo na farmácia, pois logo em seguida, exatamente no dia 26 de julho de 1971, comecei a trabalhar no escritório contábil de Fabiano Krauss e José de Lorenzo. Guardei a data, visto se tratar do aniversário desse último.

Nesse novo trabalho havia uma combinação importante para mim: estava liberado para participar dos treinos do Vasquinho, nas quartas e sextas-feiras.


Time do Vasquinho, 1971. Em pé: João Fubá, Zezé Gregatti, Édson, Vaca, Celinho, Bita (Fábio Gregatti), Cafezinho, Guima, Sérgio, Adão e Augusto (Presidente). Sentados: Roberto, Valmando, Véio, Picolé, Betinho, Pedro Guela, Xepinha e Tucci.


No time da GRABI

Em 1972, voltei à ABI, desta feita pela via do futebol. Com a extinção do Vasquinho, que participara do campeonato da Liga de Varginha, fundou-se o GRABI, para disputar o campeonato da Liga de Caxambu. E aí reencontrei diversos amigos dos tempos de ABI, entre eles: Chá, Delém, Tinz, Tatá.

Na foto abaixo, está o Celinho Machado, que por essa época também trabalhou no escritório da ABI. Ele - Celinho - mais Egídio Ieno, Waldir Arantes, Pingo Biaso e seu irmão Zé Aílton, cuidavam da parte administrativa do GRABI. O Antônio Henrique (Tonhão) e o Sílvio Cruz incentivaram a formação do time, e muitos funcionários da fábrica acompanhavam os jogos e apoiavam o time.


Time do GRABI, anos 1970. Em pé: Édson, Delém, Tinz, Vaca, Guima e Celinho. Agachados: Chiquinho Barletta, Xepinha, Sérgio, Tatá e Roberto.


Vídeo da ABI anos 1970

(*) Há no Youtube um filme mostrando a fábrica da ABI dos anos 1970. Eis o link: ABI

 Foto de latão estanhado produzido pela ABI, anos 1970.


Índice da Série ABI

ABI - Pequeno histórico do time da GRABI

ABI - Uma história de 100 anos

ABI - Eventos históricos

ABI - Um funcionário exemplar

Algumas pessoas da história da ABI


 (*) Esse trecho é parte da narrativa Aprendiz de farmaceiro, que faz parte do livro Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem, uma ficção baseada em fatos reais da vida do autor, numa cidadezinha do interior de Minas Gerais, nos anos 1960.

O livro é de autoria de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a série MEMÓRIAS DE ÁGUINHAS. Veja acima o tópico Livros à Venda.


 


Publicado por Guimaguinhas em 02/05/2013 às 07h15
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: