Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


NOS TEMPOS DE GINÁSIO (1) - Dona Lucina e Chico Venturato e Índice da Série
SUMÁRIO

- Introdução
- Dona Lucinha e Chico Venturato
- Fotos
- Índice da Série

Na Aguinhas do meu tempo, quem tirava diploma do
grupo em seguida devia cursar o ginásio, mas antes tinha
de cumprir um quinto ano, que preparava o aluno para a
prova de admissão. Desse modo foi que pulei do Grupo João
Bráulio para o Instituto Santa Terezinha para poder chegar
ao Ginásio Duque de Caxias.
..............................................................
Quem não levou bronca do seu Generaldo, o zelador do Ginásio?
(— Esse guriá também não viu a banda do Chico Venturato nem
desfilou no Sete de Setembro!)
 
(Do livro Menino-Serelepe)*

Introdução

A citação acima resume minha trajetória estudantil em Lambari, do Grupo até o Ginásio, e servirá de mote para a recordação de dois marcantes professores que tive no Ginásio Duque de Caxias. Eu poderia citar muitas coisas, mas hoje vou me prender a algumas pequeninas lembranças que marcaram o menino-adolescente que descobriu um novo mundo quando chegou ao ginásio.
 
O que era diferente? Ora, nós, pós-infantes da primeira série, passamos a conviver com adolescentes dos últimos anos do ginásio e com as moças do curso normal. Esse era um fator importante. Depois, o grande número de professores - novas matérias, diversos professores, métodos diferentes. Nessa época, nos sentíamos orgulhos por "estudar no ginásio" e os pais exibiam isso para amigos e parentes: - Ele já 'stá no ginásio!
Dona Lucinha e Chico Venturato

Mas para mim particularmente foram as novidades e os métodos de Dona Lucinha (eu, ainda hoje, reverente, a chamo assim: Dona Lucinha) e do professor Venturato que impressionaram o menino tímido (mas arteiro!) que chegou ao ginásio, em  1966.

As aulas de geografia de Dona Lucinha com mapas, cartazes, desenhos e uma belíssima letra  com gizes coloridos no quadro-negro eram magníficas. A explicação didática, a voz firme, grave, severa, mas paciente, amorosa. Boas professoras, são boas disciplinadoras, e quem prepara uma aula e sabe bem ministrá-la exige atenção. Assim era Dona Lucinha. E exigia que estudássemos, que fizéssemos os trabalhos e atividades, que nos preparássemos para as provas. Certa feita, durante uma prova semestral, disse: O que me falta na vista [usava óculos] me sobra no ouvido - sem cochichos, sem colar do vizinho! Nunca mais me esqueci dessa sua frase.
 
Quando o Professor Francisco chegou a Lambari, me parece, ele e Lúcia já eram noivos. E o Chico Venturato possuía incríveis semelhanças com ela: era bom professor, metódico, possuía uma letra firme e legível, gostava de gizes, canetas hidrográficas e pincéis atômicos coloridos, preparava apostilas num mimeógrafo a álcool. E logo, logo iniciou uma série de atividades de que gostava e fez que gostássemos também: a educação física, a quadra de terra que bolou e construiu juntamente com os alunos, as exposições de ciências, a banda de música, os desfiles... E quem não se lembra da banda de música?
 
E quando comecei a lecionar no Curso de Comércio, em Lambari, em 1976, instintivamente incorporei - não com a mesma qualidade estética - alguns métodos desses dois professores, que até hoje mantenho, não obstante a tecnologia: a mania do giz/quadro [hoje em dia são os pincéis coloridos], os esquemas didáticos, as pequenas apostilas.

Fotos
 
Guima, 1967, indo para o ginásio

Dona Lucinha e sua primeira turma de alunos


Dona Lucinha, o professor Clóvis e outros professores do Ginásio - e uma turma de formandos


A famosa banda do Chico Venturato
Chico Venturato, Seu Martins e alunos do Ginásio
 
O professor Francisco Venturato foi o paraninfo da minha turma de Ginásio

Índice da Série

- Professora Maria Rita e a redação nota dez (aqui)
2735.jpg (*) Esta narrativa faz parte do livro Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem, uma ficção baseada em fatos reais da vida do autor, numa cidadezinha do interior de Minas Gerais, nos anos 1960.

O livro é de autoria de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a série MEMÓRIAS DE ÁGUINHAS. Veja acima o tópico Livros à Venda


Guimaguinhas
Enviado por Guimaguinhas em 27/05/2013
Alterado em 09/06/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: