Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
20/12/2013 06h39
MEMÓRIAS DE AGUINHAS (27) - Antigas farmácias
 
O farmacêutico e sua botica, suas fórmulas, seus unguentos, suas pílulas, esses são vencidos pela aluvião de novas especialidades. A botica antiquada e seu profissional que sabia examinar o paciente, descobrir-lhe os males mais corriqueiros e formular os remédios, quase uma instituição de utilidade pública nos bairros das cidades grandes e nas cidadezinhas do interior, vão lentamente desaparecendo.

(Trecho do livro OS CURADORES DO SENHOR, inédito*)

Já postei neste espaço virtual um texto sobre minha experiência de "farmaceiro", isto é, mistura de "caixeiro de farmácia" com "aprendiz de farmacêutico" (aqui). São recordações da Farmácia Santo Antônio, onde trabalharam (e se aposentaram) meu pai (Dé) e meu tio João Guimarães, seu irmão.

Dé e João, ainda meninos, iniciaram sua prática em farmácia nos anos 1940/1950, na então Fharmácia da Empreza, de propriedade de Osvaldo Lisboa. Esse era filho de João de Almeida Lisboa, também farmacêutico, que se instalara em Águas Virtuosas no final do Século XIX.

O memorialista José N. Mileo (1) registrou a presença  dos seguintes farmacêuticos em Águas Virtuosas, no ano de 1898:
 

E desde o final do Século XIX-início Século XX as farmácias de Lambari já faziam suas propagandas:
 
 
(1) Jornal A Peleja (1898)                            (2) Livro Águas Virtuosas de Lambary (1918)
 
(3) Livro Lambari, Cidade das Águas Virtuosas (1949)   

A farmácia do Dr. Mário Santoro (casado com D. Maria Rita Pereira Santoro, professora de português de gerações de lambarienses, e que dá nome ao ginásio da cidade) situava-se na esquina da Rua São Paulo com Garção Stockler, onde hoje é a casa de Henrique Carvalho/Branca Valério. Posteriormente, instalou-se no mesmo local a Farmácia São José, de Aluísio Junho.


Farmácia São José. Na foto: Aluísio, Raul e Fabiano Krauss, ladeando Aluísio Junho (de terno). Abaixo, de chapéu, o fotógrafo Vicente Teixeira Dias (anos 1950)

Nos anos 60/70, coexistiram as Farmácias São José, Santo Antônio e Rian. Essa, de propriedade de Alcino Leite, situava-se na esquina da Rua São Paulo (atual Wadih Bacha) com Rua Tiradentes (antigo prédio do Hotel Rosário, em frente ao Banco do Brasil, onde também funcionou, posteriormente, a Farmácia Santo Antônio).

  
(1) Guima, na Farmácia S. Antônio (anos 1960)       (2) Hugo, Cristina Viola e Alcino Leite, na Farmácia Rian

(1) MILÉO, José N. Subsídios para a história de Lambari. Guaratinguetá, SP : Graficávila, 1970, p. 135.
(*) Informações sobre o livro Os Curadores do Senhor, de Antônio Lobo Guimarães, ainda inédito, podem ser vistas aqui
 

Publicado por Guimaguinhas em 20/12/2013 às 06h39
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: