Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


E fogões de lenha não há mais!
......................
 
Depois, o espetáculo do grande fogão de lenha que havia na imensa cozinha da casa, com boa parte da vida da família girando em torno dele, que boca de fogão é balda de mineiro. (E fogões de lenha não há mais!)

Cheiros: o aroma da casca de laranja defumada, as essências das toras, os temperos, os odores da boia quentinha, a fumaça entrando pelo nariz e lagrimando as vistas.

Ruídos: os gravetos e sabugos de milho crepitando para incendiar as lenhas, os estalidos das brasas dos tições agitados para espertar o fogo, os caldeirões de água fervente, a chaleira chiando, o mijinho do café escorrendo pelo coador de pano.

Cores: o preto das panelas de ferro, o cinza do borralho, o verde do musgo das achas, o marrom do bule de ágate, o esmaltado das canecas, o prateado dos trens areados, o dourado das canecas de latas (Pedro Bento era o famoso latoeiro da Vila Nova), o azul colonial patinado do guarda-comida, o brilho do tampo da mesa lavada de velho, o amarronzado do chão atijolado, o colorido desbotado dos adornos de papel de embrulho nas prateleiras, o negro brilhoso da fuligem nas paredes, dos picumãs do teto, da imagem de São Benedito que velava pela fartura da cozinha.

Espaços: os buracos da chapa, a porta do forno, a coluna de tijolos com a chaminé, o suspiro e os canos da serpentina, os disputados cantinhos de ficar encolhido, quentando pé, quentando mão, nos tempos de frio.

Do fogão, tomava-se, ainda, a munição do ferro de passar roupa, da lata de assar broas e do braseiro, que nas noites dos longos invernos aquecia os pés da família em roda, conversando, contando e recontando histórias, botando a prosa em dia, com todos falando de tudo.

Não sai pra rua já, espera um pouco que tá muito frio e o menino pode estuporar, vó dizia, antes de retornarmos para casa.
.........................



(*) Este trecho de narrativa faz parte do livro Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem, uma ficção baseada em fatos reais da vida do autor, numa cidadezinha do interior de Minas Gerais, nos anos 1960.
 
O livro é de autoria de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a série MEMÓRIAS DE ÁGUINHAS. Veja acima o tópico Livros à Venda.


(*) Ilustração - fonte: http://paneladebarroefogodelenha.blogspot.com.br
 
Guimaguinhas
Enviado por Guimaguinhas em 27/04/2013
Alterado em 02/10/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: