Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Ilustração: Tijolinho de barro, na forma de caixa de fósforos, brincadeira dos meus tempos de criança
Esta é uma lembrança dos primos e primas com quem fui criado, que me ajudaram a superar a ausência de irmãos e a amenizar a extremada vigilância de minha mãe.

Nascido e criado até os 8 anos no bairro operário da Vila Nova, numa casa grande com quintal, eu, filho único, convivi com uma imensidão de primos. No texto a seguir, eu conto uma de nossas brincadeiras favoritas.

A Construção
 
Para Miguel e Dinho, que construíram minha casa, e por essa época já eram os melhores pedreiros que eu jamais conheci.

Num outro dia, a Neli estava no terreiro, próxima da cerca de bambus e do quarador, com uma bacia de roupa torcida arrimada à cadeira, e o Guima se distraía sozinho, trabalhando na “construção”, perto do tanque de lavar roupa, do qual jorrava a água que formava um reguinho, que passava pela plantação de verduras, que escorria por entre os pés das árvores de frutas, que umedecia o lado das touças de bananeiras, dos ora-pro-nóbis, das taiobas, dos inhames, que corria pro fundo da horta, que caía numa vala da Rua de Baixo, que despinguelava morro abaixo até cair no Córrego dos Lobos.

A obra: uma casinha. Os materiais aprontados pela turma: tijolinhos feitos de barro, moldados em caixas de fósforos e queimados ao sol; cacos de telha; palitos de picolé; uma velha vara de pescar de cana-da-índia; tampinhas de garrafas; pedaços de vidro, água; terra; areia. Uma colher velha e uma faca sem ponta serviam de ferramentas.



Quando o Miguel chegou pra ajudar, o Guima foi logo dando ordens, como era de seu feitio:

— Eu sou o pedreiro e ocê é o servente. Eu já comecei o trabalho e ocê ‘stá atrasado. Vou descontar meio dia.
— Descontar do quê, se eu nunca recebo nada, disse o Miguel.
— Eu já ajudei ontem a fazer os tijolinhos. E foi um dia inteiro...
— Dessa vez eu vou pagar, eu juro. Vem ajudar!

Guima e Miguel na Toca dos Lobos, na varanda de casa de tijolos à vista

 
A base da casa já estava pronta. Era preciso correr com as paredes e deixar tudo respaldado antes do almoço pra descansar um pouco e depois pegar no telhado, que essa era tarefa pra carapina e carapina bão andava raleando, os tios viviam comentando isso.

E as ordens se sucediam: — Faz barro, dá tijolo, me passa a colher. Anda, Miguel, cê tá pamonha demais hoje, sô! E a obra subia, cada vez mais bela. Então, os construtores se afastavam um pouco, que era pro sol bater e secar o barro e firmar as paredes. E diziam pras outras crianças que espiavam de longe, pois perto num podiam nem chegar:

— Olha que beleza! Parece até casa do seu Dante Gregatti que o tio Messias mais o tio Rubens e o tio Mário ‘stão construindo. Olha bem, num parece?


Casa do seu Dante Gregatti, em Lambari, construída nos anos 1960 pelos meus tios

 
E se admiravam da própria obra, encantados, com um sorriso iluminando os rostinhos sujos e suados. “A gente quer ver de perto, quer ajudar a fazer” — as demais crianças lamuriavam. Se deixasse, seria aquele avança e, por isso, lá vinha o Toninho com as regras:

— Só depois de pronta. Aí, ocês pode chegar e brincar. Por que num vão catar material pro jardinzinho da casa e pondo encarriado aqui perto da obra? Vem só o Dinho ajudar, que ele já pode ir aprendendo o ofício.

Pronta a primeira parte, chega a hora do almoço.

— Sai, Piloto, não pisa aí, que estraga os tijolos. Mas ninguém ajuda a segurar o cachorro, gente! — o Guima reclamou com a turma.

Agora o telhado. As peças maiores saíam da parte mais grossa da vara de cana-da-índia. Os galhos mais finos viravam caibros, as ripas eram de palitos de picolé. E escora com caquinhos e entalisca com toquinho e cola com barro e amarra com embira e trança os palitos que ajuda a prender. Obra de paciência, de jeito, só um pode pôr a mão. Quem? O Guima, que esse trabalho ele não deixava ninguém fazer, que era tarefa pra oficial bem caprichoso. Já as telhas, não. O Miguel era servente, nem meia-colher num era, mas podia ajudar, desde que seguisse direitinho as orientações:

— Leva a mão devagar, põe mais barro, esse caco tá feio, põe outro, na cumeeira, bota os pedacinhos do mesmo tamanho...

E pela tardinha a casa já ‘stava toda levantada e coberta. Mas o dia acabou e a obra não ficara pronta. Olha só o tantão que faltava: construir o muro, fazer o passeio da frente, preparar o jardim, plantar a graminha e as arvinhas da horta. Mais o acabamento, e essa parte era a mais demorada, o Guima sabia disso, aprendera com o tio Messias, o tio mais velho que ensinava todomundo a construir. Mas ia anoitecer, então tinha precisão de cobrir a casa com folha de bananeira, por causa da chuva que já ameaçava na serra, que essa danada é uma desgraça para quem está construindo, pois pode pôr a serviceira toda a perder e o prejuízo vai ser grande.

— E prende o Piloto, por causa que ainda não secou direito, senão de noite ele derruba tudo só com uma rabada! — foi a última ordem do menino.

Vocabulário de Aguinhas

Arrimar:  Encostar, apoiar, escorar.
Cadeira: Corruptela de cadeiras = Ancas, quadris.

Carapina: Carpinteiro.
Despinguelar: Descer morro abaixo. [Gíria ocorrente em Aguinhas.]
Encarriar:  Corruptela de encarrilhar. Dispor ao lado, ou atrás, de forma bem arrumada.
Meia-colher: Apendiz de pedreiro
Pamonha:  Pessoa molenga, preguiçosa, inerte. 
Quarador: Piso de cimento ou tábua onde se põe a roupa lavada para corar; CORADOURO.
Respaldar:
(1) Tornar plano ou liso (um caminho, uma parede, um terreno) (2) Levantar uma parede até o ponto de apoio da laje e/ou do telhado.
Todomundo: Todos

  (**) Este trecho faz parte do livro Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem, de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a coletânea HISTÓRIAS DE ÁGUINHAS. V. o tópico Livros à Venda.

Ref. Foto: googlemaps

 
Guimaguinhas
Enviado por Guimaguinhas em 09/06/2015
Alterado em 13/06/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: