Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
04/08/2014 14h48
Aguinhas musical (6) - Fernando Dias e o bolero Poema

Sumário


Introdução

Poema é um poeta apaixonado

A escrever desesperado / O que lhe vai no coração.

FERNANDO DIAS


Como anotei no meu livro de memórias Menino-Serelepe (*), a música de Fernando Dias esteve comigo desde jovenzinho, nos meados dos anos 1960, pois lá desfilavam entre as cantorias de minha mãe — que tinha mania de cantar em casa, enquanto fazia os trabalhos domésticos — os versos famosos:

Poema é noite escura de amargura / Poema é a luz que brilha lá no céu...

Mais tarde, já morando no centro da cidade, próximo da Igreja Presbiteriana, cuja comunidade eu frequentava com os amigos do futebol, eu ouvia falar do "Fernando", que "fazia músicas e cantava serestas" e era irmão do seu "Beto Melano" (Roberto Dias).

Como o casal Roberto Dias/Áurea Canelhas eram nossos vizinhos (moravam na comunidade Protestante), eu via o compositor, muitas vezes, por lá. E em 1971, quando Fernando Dias adoeceu, foi nessa residência que convalesceu. E por aqueles tempos a casa do seu Beto Melano vivia cheia de amigos e visitas. E foi ali também que Fernando Dias veio a falecer, no Natal de 1971.

Assim foi que as cantigas e boleros que minha mãe cantava me acompanharam por toda a vida, e Poema sempre esteve, decoradinho, na minha memória musical. E já aposentado, quando comecei a publicar estas "memórias de Aguinhas", já tinha ideia de fazer um post sobre Fernando Dias. E em dezembro do ano passado, comecei a pesquisar, a conversar com familiares do compositor, a perguntar para os amantes da música e "antigos seresteiros" de Lambari sobre Fernando Dias.

Pois bem, como uma homenagem a Fernando Dias, pouco conhecido das gerações mais novas de lambarienses, abaixo vai um resumo do que consegui apurar acerca de sua vida e sua obra.


E se você, caro visitante, tiver notícias, informações, fotos das pessoas ou famílias aqui mencionadas, ou quiser fazer alguma correção ou complementação ao texto aqui publicado, entre em contato conosco. (**)

Voltar


Fernando Dias (com binóculo na mão) e João Ribeiro (João Vital) - Lambari, MG (Horto Florestal), anos 1960

Voltar


O lambariense Fernando Dias

Fernando Theodoro Dias, o compositor Fernando Dias, filho de Antônio Cyrilo Dias e Maria de Oliveira Dias, nasceu a 9 de novembro de 1935, em Lambari (MG), e aqui faleceu em 25 de dezembro de 1971. Seu corpo foi enterrado, no Cemitério Municipal de Lambari, pelos parentes e amigos próximos. 

Há pouco tempo, os lambarienses lhes prestaram uma homenagem, por intermédio da Câmara Municipal, dando a uma rua do bairro Vista Verde II o nome do compositor (Lei Municipal 1.465, de 29/12/2004, art. 31).

Voltar


Parcerias

Letrista inspirado, Fernando Dias fez parcerias com cantores e compositores conhecidos, tais como Nílton César [Eu choro por gostar de alguém] Carlos Gonzaga [Ninguém tem culpa] Oswaldo Bettio [Teus olhos]. Mas há uma parceria importante e pouco divulgada, que foi a que se deu com outro nosso conterrâneo — o músico e violonista João Ribeiro (conhecido também por João Vital, ou João do Violão).

Fernando Dias e João Vital se conheceram em Lambari, no Estúdio "Faixa Preta", do qual já falamos em outro post (aqui), e conviveram em nossa cidade e em São Paulo, nos anos 1960 e início dos anos 1970. Dessa parceria surgiram muitas músicas, em diversos estilos (bolero, jovem guarda, marcha-rancho, samba), tais como: A roseira, Existem flores, Balanço Geral, Se eu ficar sem você. E também uma música tocada em nossas congadas, que todo lambariense conhece: São Benedito. Eis os primeiros versos:

Oilê, Oilá, meu São Benedito mandou me chamar / Vai o Rei, vai a Rainha, não demora eu vou pra lá...


José de Souza e seu terno de Congadas, Lambari (MG)


João Ribeiro guarda ricas memórias dessa parceria, como melodias e harmonias de algumas músicas. Entre elas está a primeira partitura para violão feita para Poema. Eis a preciosidade (harmonia por cifras e a melodia da primeira parte), em papel amarelado pelo tempo, com a grafia e notas de João Ribeiro, datada de 1965, em que aparecem os dizeres: Letra: Fernando Dias - Música: João Ribeiro.



João Ribeiro conta que foi em São Paulo, no escritório da Sadembrano início dos anos 1960, que Poema tomou feitio de bolero. Fernando Dias, acompanhado de João Ribeiro, fora mostrar algumas músicas para Hervê Cordovil. E, então, sacou de uma velha caderneta, na qual, com sua letra esgarranchada, anotava nomes, endereços, telefones, e, especialmente, letras de músicas. E passou a ler os versos de Poema, e, depois, começou a solvejar a música. Mas aquilo soava como uma marcha-rancho. Acabou sendo interrompido por João Ribeiro, que disse: —  Assim não! Isso dá é bolero. E Ribeiro pegou um violão e foi dedilhando, acompanhando os versos do poeta, afeiçoando-os ao ritmo de bolero.

Voltar


As músicas de Fernando Dias

Desaparecido ainda muito jovem (a noite, a bebida, o cigarro...), Fernando Dias, como era comum ocorrer aos boêmios, teve também um amor não revelado, cujo nome proclamava entre poucos amigos, nas noitadas de seresta ou de criação musical. Ele costumava compor suas músicas — muitas delas inspiradas e/ou dedicadas a esse secreto amor — batucando uma caixa de fósforos.

A curta vida, contudo, não o impediu de legar-nos inúmeras canções, algumas de sucesso internacional. Por outro lado, Fernando Dias não foi uma pessoa organizada quanto à sua produção musical, e, ao que se sabe, não deixou nenhum registro, documento, contrato, partitura, letra, etc. de suas criações.

Assim, as canções/parcerias mencionadas no item abaixo, atribuídas a Fernando Dias, tirante as mais conhecidas, foram colhidas com base nas recordações de seus parentes, amigos e parceiro, e em pesquisas na Internet. 

Vejamos o resultado:


No site da Editora Musical Mangione (aqui), que detém e administra direitos autorais de grandes autores e sucessos da Música Brasileira e possui um acervo de milhares de partituras, vamos encontrar o seguinte:

Músicas de "Fernando Theodoro Dias"

Fonte: http://www.mangione.com.br/catalogo.asp?searchBy=6&searchValue=Fernando+Theodoro+Dias+


No Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira, disponível (aqui), encontram-se os seguintes registros relativamente ao compositor "Fernando Dias":

  • Carlos Gonzaga: Gravou, em 1957, "Meu ciúme", de Fernando Dias e Wilson Meireles. Em 1960, compôs "Ninguém tem culpa" e "Vou embora", em parceria com Fernando Dias. Em 1961, gravou  "Teus olhos", de Fernando Dias e Osvaldo Bettio (aqui)
  • Zenaide Costa: Gravou "Dilúvio" e "Aquela flor", de Fernando Dias (aqui)
  • Leonel Cruz: Em 1960, José Orlando gravou a guarânia "Três palavras", parceria de Leonel Cruz com Fernando Dias (aqui)
  • Renato Guimarães:  Em 1963, gravou "Nasci para te amar", de Fernando Dias (aqui)
  • Valter de Almeida: Em 1963, gravou a guarânia "Aqueles olhos", de Fernando Dias e Teixeira Filho (aqui)
  • Vera Maria: Em 1961, gravou o bolero "Seguirei teus passos", de Fernando Dias e George Abb (aqui)
  • Luano do Recife: Em 1994, gravou "Poema", de Fernando Dias (aqui)
  • Roberto Amaral: Em 1957,  gravou a marcha "Meu amorzinho!", de Fernando Dias e Airton Belo (aqui)

Ainda na WEB, vamos encontrar as seguintes informações quanto a "Fernando Dias":

  • Cascatinha & Inhana: Gravaram "Noite de lua" de Fernando Dias e Antonio Marchi (aqui)
  • Haroldo José: Gravou, em 1962, "Levaste meu coração", de Fernando Dias e Sebastião Víctor (aqui)
  • Isaura Garcia: Gravou, no Carnaval de 1965, "Amor perfeito", marcha de Jota Junior, Vicente Longo e Fernando Dias, e "Arrependeu", samba de Vicente Longo, Waldemar Camargo e Fernando Dias (aqui)
  • Renato Guimarães: Gravou, em 1960, "Tarde demais", de Fernando dias (aqui)
  • Zé Fidélis (Gino Cortopassi): Gravou, em 1962, "Problema" de Fernando Dias e Zé Fidélis (aqui)
  • Betinho: Gravou a marcha "Não chores", de Fernando Dias, J. Mendes e Nicola Bruni (aqui)
  • Carlos Antunes: Gravou, em 1959, a toada "Vagabundo" de Fernando Dias e Carlos Antues (aqui)
  • Biá e Biazinho: Gravaram, em 1960, a rancheira "Nunca mais", de Fernando Dias (aqui)

Voltar


Poema, o grande sucesso e um clássico da MPB

O bolero Poema foi lançado em 1962 por Renato Guimarães


 

Poema: 1o. lugar nas Paradas de Sucesso - Fonte: Revista do Rádio - 1962 - n. 655


  

Com a música Poema, Renato Guimarães conquistou o Troféu "Chico Viola", na Festa dos Melhores do Disco, de 1962. Fonte: http://brazilianhitparade.blogspot.com.br


 No Brasil, Poema foi gravado por muitos cantores(as), entre ele(as): Silvinho, Marcelo Costa, Cláudia Barroso, Agnaldo Timóteo, Lindomar Castilho, Altemar Dutra, Carlos Augusto, Elymar Santos. Em espanhol, na América Latina, por: Los Três Brilhantes, Las Sombras, Romance Trio, Gregório Barrios.

Voltar


A letra de Poema

Poema é noite escura de amargura / Poema é a luz que brilha lá no céu

Poema é ter saudade de alguém / Que a gente quer e que não vem

Poema é o cantar de um passarinho / Que vive ao léu, perdeu seu ninho

É a esperança de o encontrar / Poema é a solidão da madrugada

É um ébrio triste na calçada / Querendo a lua namorar

PARTE DECLAMADA

Poema é a solidão da madrugada /

Um trovador em serenata/ querendo a lua namorar

Poema é tristeza, é alegria / É o romper de um novo dia

É a dor cruel de uma paixão / Poema é um poeta apaixonado

A escrever desesperado / O que lhe vai no coração

Voltar


Poema, por Ellis Regina

 

Neste disco de Ellis Regina, de 1962, está a agravação de Poema, de Fernando Dias

Segundo disco da carreira de Elis Regina, que ainda não era tão conceituada com o "título" que a aclama por toda sua carreira o de "Melhor Cantora Brasileira". Lançado em 1962 pela gravadora Continental, foi relançado em 1982 somente com o nome de "Poema" juntamente com seu primeiro disco de carreira: "Viva a Brotolândia", em 1989 voltou a ser relançado em LP simples com o título de "A Estrela Brilha", e novamente em 2006 na coleção "Primeiro Discos".

Fonte: Wikipedia

Voltar


Poema, partitura para piano

  

Na foto acima, Gregório Barrios, que também gravou o bolero Poema. 

Disponível para venda no site Mercado Livre está uma partitura para piano da música Poema de Fernando Dias. Aqui

Voltar


Um disco de Fernando Dias

Nos anos 1960, Fernando Dias — que não era cantor nem tinha grande voz — gravou um compacto duplo, pelo selo Itamaraty (RJ), com as músicas Pelos caminhos da vida e Revoada (Fernando Dias e Jamanta).

Uma preciosidade: Disco gravado por Fernando Dias, pelo selo Itamaraty, em 196?

Voltar


Músicas de Fernando Dias na Internet

Uma gravação de Poema, feita em 1962, por Renato Guimarães, com declamação de Enzo de Almeida Passos, veja aqui

No ano seguinte (1963), Renato Guimarães gravou, também de Fernando Dias, o bolero Poema da Solidão. Veja no Youtube, com a segunda parte declamada por Enzo de Almeida Passos, aqui

Nasci para te amar, um outro bolero de Fernando Dias, lançado originalmente por Nílton César, em outubro de 1962, na na voz de Renato Guimarães, aqui


Este compacto duplo de Renato Guimarães foi lançado com músicas de Fernando Dias e Hervê Cordovil 

Voltar


Gravações em espanhol

 Na versão para o espanhol feita por Pepe Ávila (produtor, maestro e compositor argentino, radicado no Brasil), Poema fez sucesso pela América Latina (aqui).


  • Los Tres Brillantes - Victor Galarza, Patty Valenzuela y Diego Mosquera- interpretan: "Poema", de Fernando Díaz. Aqui no Youtube

  • Gravação de Las Sombras, aqui na Radio UOL

  • Gravação de Gregório Barrosna Rádio UOL, aqui 
  • Gravação de Romance Trio, no Youtube, aqui
  • Gravação de Hermanos Arriagada, no Youtube, aqui

Voltar


Outras interpretações de Poema

  • Marcelo Costa, aqui
  • Agnaldo Timóteo, aqui
  • Silvinho, aqui
  • Shirley Carvalho, aqui (Belíssima interpretação!)
  • Violão, aqui

Voltar


Referências: Dicionário Cravo Albin de MPB; Editora Mangione; Wikipedia; Site Mercado Livre; Youtube; Rádio UOL; Notas Mágicas - Editora Musical; Discos Chantecler; Discos Itamaraty; hemerotecadigital.bn.br/Revista do Rádio/ano 1962/n.655; outros sites citados no texto.


Agradecimentos

Muitas pessoas me ajudaram na elaboração deste post. Paulo Roberto Dias, sobrinho de Fernando Dias, Miquéias e Cida Canelhas, Aloisio Krauss, Acácio Barros, meu sogro Célio Krauss, Carmen Delfini, Sebastião Leite (Tião Barbeiro), o maestro Geraldo Machado, a funcionária do Cartório de Registro Civil de Lambari, estão entre elas. E especialmente João Ribeiro (João Vital, ou João do Violão), que me recebeu em sua casa, cedeu fotos, discos, documentos, dedilhou e cantou músicas, e contou antigas e belas histórias dos anos em que conviveram e compuseram juntos. E aqui registro também meus agradecimentos a Maria Rita, esposa de João, pela atenção, simpatia — e pelo cafezinho com que aqueceu esse nosso encontro. E agradeço, também, a Neusa Dias, que, posteriormente, à publicação do post fez algumas observações com as quais fiz pequenas correções no texto.

Voltar


Registre-se que o Grupo Arus, de Lambari (MG), em suas apresentações, costuma frequentemente cantar Poema, assinalando que essa belíssima música é de um lambariense chamado Fernando Dias.


  (*) Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem é um livro de memórias de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a coletânea HISTÓRIAS DE ÁGUINHAS. V. na abertura do site o tópico Livros à Venda. 

A referência à música Poema está no Cap. XLI - As cantigas de minha mãe, pág. 221.


(**)  Contatos com o autor neste e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com.


Voltar


Publicado por Guimaguinhas em 04/08/2014 às 14h48
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: