Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Ilustração: Jesus curando
A trama de ações e reações na vida humana

A palestra proferida por Antônio Carlos Guimarães na Seara Espírita Bezerra de Menezes (Lambari, MG), neste 11 de agosto, procurou mostrar como a Lei de Causa e Efeito manifesta-se nas encarnações sucessivas dos seres espirituais na sua jornada multimilenar rumo à perfeição.

Segundo o Espiritismo, somos criaturas espirituais, dotadas pela Consciência Divina dos gérmens da perfeição, que são postas a desenvolver seus dons numa fieira de vidas sucessivas, em mundos corporais. Inicialmente em mundos primitivos e depois em mundos mais evoluídos. 
No atual estádio de nossa evolução, estamos encarnados num mundo ainda imperfeito — mundo de provas e expiações — mas nossa destinação é a Angelitude.

Nessa perspectiva, a Providência inscreveu em nossa consciência as Leis Divinas — leis de natureza moral que guiam nossa Evolução. Entre essas leis, estão a Lei de Progresso, a Lei de Trabalho, a Lei de Liberdade e a Lei de Amor, Justiça e Caridade. A primeira se refere ao progresso moral e intelectual da humanidade; a segunda, à necessidade natural de trabalharmos para evoluir; a terceira, à liberdade de escolha possível ao homem em sua jornada evolutiva e à responsabilidade que lhe cabe pelas escolhas que faz; e a última, às regras de convívio fraternal entre as criaturas. Tais as principais leis morais examinadas dentro do tema Reencarnação e a Lei de Causa e Efeito.

Afirmou o expositor que o objetivo primordial da encarnação dos Espíritos, ao suportar as vicissitudes da existência corporal, é evoluir e concorrer para a obra geral da criação. Nesse processo lento e multimilenar, os Espíritos sujeitam-se a provas e expiações. As expiações apontam ao passado; as provas, ao futuro. (
O Livro dos Espíritos - Questão 132)

Para ilustrar que somos autores do nosso destino, e que esse é resultado das tramas de ações e reações que vimos tecendo ao longo de séculos incontáveis, o palestrante citou Huberto Rohden:

 
Convida os elementos celestes, e eles tecerão a tua vida rumo às alturas – convida os elementos terrestres, e eles tecerão tua vida rumo ao abismo. É este o glorioso e funesto privilégio do livre-arbítrio – que te faz criador do teu destino. Mas os fios com que o teces não são apenas de hoje, nem de ontem – remontam a milhares de anos e de séculos, a incontáveis eons e eternidades.
 
A seguir, mencionou diversas passagens evangélicas que falam da responsabilidade pessoal do Espírito por seus pensamentos, escolhas e ações, como estas:
 
Porque aquilo que o homem semear, isso também colherá. (PAULO, Gálatas, 6:8)

Então Jesus lhe disse: Embainha a tua espada; pois todos os que lançam mão da espada à espada perecerão. (Jesus, MATEUS, 26:53)

Retorquiu Jesus: Em verdade, em verdade vos digo, que todo aquele que comete pecado é escravo do pecado. (Jesus, JOÃO, 8:34)

Jesus disse ao paralítico: Filho, os teus pecados estão perdoados. (MARCOS, 2:5) 

 
Explicou ainda o conceito da dor, em face dos postulados espíritas:
 
A dor é inerente à imperfeição, e como somos espíritos em evolução, vivendo num mundo inferior, nos sujeitamos inelutavelmente a ela. Mas nem tudo é dor e sofrimento e nem toda dor é expiação. A dor não é punitiva, mas educativa e disciplinadora, e deve ser vista como instrumento de evolução e equilíbrio. Assim, é possível, didaticamente, expressar: 
 
- Dor-débito  tem como causa fatos negativos do passado.
- Dor-evolução
 é o impulso divino que nos constrage a evoluir, que nos faz suportar as vicissitudes da vida corporal com paciência e aplicação, compreendendo, ao mesmo tempo, o papel que nos cabe na obra da Criação. (Questões 132 e 258a de O Livro dos Espíritos)
- Dor-crédito
 decorre da resignação em face  provações decorrentes de contingências materiais inerentes à vida neste planeta. (Questões 738b e 739 de O Livro dos Espíritos)
- Dor-missão
 são situações em que Espíritos abnegados se reencarnam para ajudar antigos afetos e/ou outros Espíritos necessitados. É o caso de Jesus, na sua missão de esclarecimento espiritual à humanidade.

Nota: Para um estudo mais completo deste tópico, veja estas Questões de O Livro dos Espíritos  aqui
 
Passo seguinte, trouxe os conceitos espíritas de Acaso, Determinismo, Livre-Arbítrio, Fatalismo, Destino, Carma, Escolha de Provas, Prova, Expiação e Missão.

Para ilustrar a trama da Lei de Ação e Reação na vida humana, e evidenciar que nem todo quadro de dor e sofrimento se reduz a resgates cármicos, e que o carma também se apresenta com resultados benéficos, contou três histórias:
 
Marcel, a criança de nº 4 (do livro O Céu e o Inferno,  de Allan Kardec - 3ª. Parte)

Trata-se do caso de um menino inteiramente disforme, cujas pernas tortas alcançavam-lhe o pescoço, e de magreza tamanha que a pele se dilacerava sob a saliência dos ossos; seu corpo era uma ferida só e seus sofrimentos atrozes. Sofreu num leito de hospital, sem lamúrias suas dores e padecimentos, quase sempre longe da família, que pouco o visitava. No caso, não se tratava de carma, e sim de uma escolha do espírito, que quis ser exemplo de resignação e aceitação para os demais internos do hospital, que lastimavam suas dores e blasfemavam contra a Divindade.

Condessa Paula (do livro O Céu e o Inferno, de Allan Kardec - 2ª. Parte)

Era uma mulher jovem, bela, rica, de nascimento ilustre de acordo com o mundo, e ademais, um modelo consumado de todas as qualidades do coração e do espírito. Sua posição social e altas funções do marido a ocupavam, mas economizava para ajudar os necessitados, e fazia isso, piedosamente, sem constrangê-los. Encontrou meios de conciliar os seus deveres sociais com os seus deveres na assistência aos infelizes. Morreu serenamente com trinta e seis anos, em 1851. Caso de um espirito evoluído, que por merecimento se reencarnou em condições relativas de felicidade terrena.

O Cego de Nascença (Evangelho de João, 9, 1 a 34)


— Mestre, foi pecado desse homem, ou dos que o puseram no mundo, que deu causa a que ele nascesse cego? Jesus lhes respondeu: — Não é por pecado dele, nem dos que o puseram no mundo; mas, para que nele se patenteiem as obras do poder de Deus.

O ensino é límpido: nasceu assim cego “para que nele se manifestasse a ação de Deus”, ou seja, para que se faça sentir o impulso divino que o constrange a evoluir. (CARLOS TORRES PASTORINO, Sabedoria do Evangelho, v. 5, p. 99).
 
Esta apresentação REENCARNAÇÃO E LEI DE CAUSA E EFEITO, em PowerPoint está disponível aqui
 
​Veja também: 

- O Processo de Encarnação dos Espíritos (aqui)
- Lei de Causa e Efeito na Codificação Kardequiana (aqui)
- Os laços e os nós (aqui)

 
Guimaguinhas
Enviado por Guimaguinhas em 12/08/2015
Alterado em 13/08/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: